Bebês que não dormem

30% das crianças apresentam transtornos do sono

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Ainda que todas as crianças, em especial durante o primeiro ano de vida se despertam várias vezes pela noite, a maior parte deles voltam a dormir por elas mesmas. Os bebês que ainda não aprenderam a conciliar o sono sem necessidade de ajuda choram para que seus pais os carreguem. São várias as causas da resistência ao sono sem necessidade de ajuda, assim como os despertares durante a noite. 

30% das crianças apresentam transtornos do sono. As características mais frequentes desse problema são: 

- Até os quatro meses os lactentes despertam várias vezes durante a noite. 

- Entre os 4 e 24 meses eles despertam e choram várias vezes durante a noite. 

- Nesses momentos os pais podem alimentá-los, dar atenção ou entretenimento. 

- Pode acontecer toda noite. 

- É frequente que aconteça desde o nascimento. 

- Os pais desejam ajudar a criança para que durma durante a noite.

Por que os bebês despertam?

bebês-que-não-dormem A 

Os maus hábitos do sono podem ser a causa principal para que os bebês não durmam bem, não conciliem o sono durante a noite ou se despertem várias vezes. Dormir também se aprende e é responsabilidade dos pais incutirem hábitos de sono corretos para que o bebê, quando chegar o seu momento, durma de uma vez, só no seu berço e sem chamar a atenção dos seus pais durante os despertares noturnos. São várias as causas da resistência ao sono e dos despertares durante a noite dos bebês e das crianças. 

1. Mamadas frequentes durante o dia. Muitas mães interpretam mal a alimentação a demanda, como ‘alimentar o bebê cada vez que ele chora’. O organismo se acostuma a receber pequenas quantidades frequentes de comida. Muitas dessas crianças pedem para comer durante a noite só para se aproximar do calor do peito, da segurança materna e para serem pegos nos braços.

2. Amamentar a criança para dormir. Se a última recordação que a criança tem antes de ir dormir seja comer é possível que mamar ou tomar a mamadeira possa se converter num objeto de transição para ela. Portanto, quando se desperta pode pensar que não pode voltar a dormir sem o peito da mãe. 

3. Ninar o bebê para dormir. Niná-lo como parte de uma rotina para dormir vai bem. No entanto, algumas mães continuam ninando-o até que adormeçam, inclusive quando não estão chorando. No lugar de dormir sozinhos eles choram. Como, por algum costume eles adormecem fora do berço, não associam o berço com o sono. 

4. Entretê-lo durante a noite. O comportamento de despertar e chorar se torna cada vez mais frequente e se traz consigo alguma vantagem, como passear com ele, niná-lo, brincar com ele ou desfrutar de um dos pais, o bebê se torna dependente dessa ajuda para voltar a dormir. 

5. Aumento da atenção noturna. Durante uma doença aguda, por exemplo, o nariz obstruído, ou alguma mudança no ambiente de sono do bebê que afete a sua rotina habitual, por exemplo, uma viagem, é possível que os pais aumentem a atenção noturna para acomodar o bebê. Logo ele vai querer continuar e vai acabar se acostumando. 

6. Medo da separação. Aparece entre os seis meses e os dois anos. Isso é comprovado durante o dia, sempre que o bebê perde sua mãe de vista ou fica com outra pessoa. Estes medos se acentuam com frequência na hora de ir para a cama e durante a noite.

7. Excessivas sestas diurnas. Um bebê só pode dormir uma quantidade de horas por dia. Muito tempo do seu sono durante o dia pode tirar-lhe o sono durante a noite. 

8. Dormir no mesmo quarto. Alguns bebês fazem ruído ao dormir, e se os pais têm sono leve, eles respondem a estes ruídos normais do bebê. Além disso, se o bebê pode vê-los, ele terá um incentivo para continuar tentando despertá-los. Dormir na cama dos pais piora o problema. 

9. Evolução. Os menores de dois meses podem se despertar duas vezes pela noite para mamar. Aos três meses, a maioria ainda necessita de mamar durante a noite. Aos quatro meses, 90% dos bebês podem dormir durante 8 horas seguidas sem alimentação. 

Quanto maior é a criança, mais difícil é mudar o hábito. Os maiores de um ano resistem com força a qualquer mudança e podem chorar durante horas. Sem normas, estas crianças não começarão a dormir durante toda a noite até os três ou quatro anos, quando sua jornada diária é mais intensa e finalmente se cansa.