Lesões cerebrais na infância

As lesões no cérebro de crianças podem ser congênitas ou adquiridas

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Desde antes de nascer estamos expostos a alguns tipos de doenças ou deficiências. Entres as mais frequentes estão as lesões cerebrais, cuja tipologia é muito diversa, ou seja, sua origem é devido a diferentes causas. 

As lesões cerebrais na infância podem ser classificadas como congênitas e adquiridas. As primeiras aparecem já desde a gravidez e a segunda são produto de alguma complicação no parto ou inclusive devido a alguma doença ou acidente grave durante a infância. 

Lesões cerebrais congênitas em bebês 

Algumas lesões cerebrais são produzidas antes do nascimento ou durante a gravidez: 

- Hidrocefalia: acúmulo de fluido dentro do crânio que leva ao inchaço do cérebro, e se deve a um problema com o fluxo do fluido que cerca o cérebro. Esse fluido é chamado líquido cefalorraquidiano ou LCR, que envolve o cérebro e a medula espinhal e ajuda a amortecer o cérebro.

- Anencefalia: a criança nasce sem encéfalo (ou cérebro). 

- Microcefalia: encéfalo com poucas células. A microcefalia é uma doença na qual a cabeça de uma pessoa é significativamente menor que o normal para sua idade e sexo, de acordo com tabelas padronizadas.

- Macrocefalia: encéfalo com grandes dimensões. Termo usado para designar uma cabeça anormalmente grande segundo padrões. 

Outras lesões: porencefalia, lisencefalia, paquigiria, agenesia do corpo caloso.   

Lesões cerebrais adquiridas na infância 

São alterações que o bebê adquire no momento do parto ou inclusive durante a infância como resultado de alguma doença ou acidente grave: 

- Patologia vascular: hemorragias.

- Traumatismos cranioencefálicos.

- Tumores específicos na infância. 

- Infecções como a meningite

- Anoxias: Se produzem no momento do parto e consiste em asfixias (falta de oxigênio) que podem produzir vários sintomas neurológicos. 

Paralisia cerebral na infância 

A paralisia cerebral é uma das lesões cerebrais mais frequentes. É um transtorno da postura e do movimento, devido a uma lesão não degenerativa do encéfalo que acontece antes que seu crescimento e desenvolvimento sejam completos. A paralisia cerebral pode ser acompanhada de outros problemas, ainda que não necessariamente causadas por ela, como: epilepsia, alteraçõs auditivas e visuais, deformações e somente em alguns casos, deficiência mental

As causas podem ser: 

- Pré-natais: todas as causas que dificultam a circulação placentária, doenças infecciosas da mãe como o sarampo, doenças metabólicas da mãe (diabetes) e incompatibilidades do fator RH.   

- Perinatais: anoxia, asfixia, trauma durante o parto (fórceps), alterações de pressão (cesáreas), prematuridade, deficiência de vitamina K. 

- Pós-natais: traumatismos (fraturas e feridas do crânio), infecções (meningite e encefalite), transtornos vasculares (hemorragia e trombose e embolias), anoxia, intoxicação por anidrido carbônico. 

As lesões cerebrais não têm cura, mas através de tratamentos, o estado da criança pode melhorar muito. O tratamento deve ser global. Por isso, é de vital importância o estímulo precoce e posteriormente, a reabilitação multissensorial, assim como as terapias com animais. As brincadeiras e a inclusão social complementam esses tratamentos em crianças com lesões cerebrais.   

Vanessa Fuentes

Psicóloga clínica e social

http://psicovan.hostinazo.com/