Beijar a boca dos bebês, sim ou não?

O que você acha de beijar a boca dos bebês

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Beijar é um ato normal e cotidiano que realizamos muitas vezes durante o dia para saudar um conhecido, para nos despedirmos de nosso esposo antes de ir trabalhar, como cura para uma ferida de uma criança ou como mostra de carinho.

Por que não deveríamos beijar a boca dos bebês?

Beijar a boca dos bebês. Sim ou nao?

Costumamos dar beijos no rosto e às vezes chega até ser uma expressão tão rápida e quase banal que os nossos lábios não conseguem tocar a pele da outra pessoa. Mas há outros beijos que damos na boca, normalmente no nosso esposo e em muitos casos nos nossos filhos. O que você acha de beijar a boca dos bebês? 

Beijar na boca dos nossos filhos é um ato muito comum em muitas famílias, um costume que acontece de forma natural, como quem dá um beijo no rosto. Eu fiz isso por muito tempo, até que os catarros e resfriados foram passando de um para o outro sistematicamente, durante um duro inverno e decidi tomar hábitos mais assépticos.

Essas são as teorias contra o beijo na boca das crianças:

- A razão principal de quem acredita não ser correto, é médica: creem que é um ato que pode transmitir doenças ao bebê tais como gripe, resfriado ou mais graves como a mononucleose

- Para outras pessoas é inaceitável dar um beijo na boca de uma criança, ainda que seja seu filho, já que acreditam que está relacionado com uma “conduta sexual”, reservada apenas para casais. 

- À medida que as crianças vão crescendo não é correto continuar com o costume, já que por um lado poderia ser objeto de gozações na escola ou a criança poderia confundir esse costume e tentar repetir com seus amigos.

Essa é a teoria principal a favor de beijar o bebê na boca:

- É um ato de carinho e amor sem nenhuma conotação, que cria um vínculo mais próximo entre pais e filhos. Não tem nenhuma conotação sexual ou seja, só é a expressão do amor entre pais e filhos. Abraçar e beijar crianças é normal para um bom desenvolvimento emocional. 

E você, o que acha? 

Alba Caraballo
Editora de GuiaInfantil.com