As crianças e o uso do computador portátil

O seu filho tem um computador só para ele?

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Como podemos observar, os brinquedos tradicionais, aqueles de toda a vida, vão acabar se acumulando nos armários dos quartos das crianças. Agora, muitas crianças de 6 a 12 anos já têm um computador portátil (laptop) somente para elas, e muitas se fecham no quarto e ficam navegando na net todo o dia. Esse é o caso do seu filho?

O uso computador portátil no quarto das crianças

as-crianças-e-o-uso-computador-portátil A

Estamos sempre na mesma, e a impressão que eu tenho é que as crianças já não se interessam em brincar com a bola, amarelinha, as bonecas, os carrinhos, nem com a corda, porque tantos aparelhos que a tecnologia lança no mercado, orientados especialmente a elas têm roubado o lugar dos brinquedos e brincadeiras tradicionais.

Cada vez mais os computadores que saem do mercado são menores e mais fáceis de serem manuseados. Alguns têm um sistema que os protege contra líquidos derramados, materiais resistentes a quedas e um sistema de controle com o qual os pais poderão vigiar e controlar as páginas web que os seus filhos acessam, assim como determinar o tempo que eles utilizam o computador. 

Eu me pergunto quanto as crianças terão tempo para fazer uso de tudo o que têm em casa. Entre videogames, o Playstation, a televisão, os smartphones, o Ipod. E eu estou só me referindo aos aparelhos tecnológicos.

Quanto tempo uma criança necessitará para desfrutar de tudo? Quando poderão praticar um esporte, brincar com seus amigos no pátio, ir ao parque e estudar? Eu me coloco no lugar de uma criança por alguns instantes e fico tonta com tantas alternativas. 

E me chega uma preocupação muito grande. Não sou contra a tecnologia. Pelo contrário, hoje eu vivo de Internet. No início eu resistir, principalmente quando deixei de ir a uma banca de revista para comprar o jornal nos dias da semana.

Reconheço que isso vicia, porque ter acesso rápido a tudo atrai muito. Mas, quando me pergunto se é uma necessidade para minha filha, acredito que ainda não. Para aprender sim, navegar pela Internet o tempo adequado, mas se for para suprir um aborrecimento, chateação, um vício, e sem controle é um grande ‘Não’. 

Vilma Medina
Diretora de GuiaInfantil.com