O abuso sexual em crianças tem um cúmplice: o silêncio

Vilma Medina

Vilma Medina

Os grandes conspiradores do abuso sexual aos menores são a vergonha e o silêncio. Dá raiva pensar que depois de tantos anos de abusos e estupros a crianças, depois de tanto material encontrado em fotografias e vídeos, que mostram a quantidade de crianças que sofreram abusos, tenha sido a vergonha e o silêncio a causa de um grande prejuízo que poderia ter sido evitado antes

O silêncio e a vergonha no abuso sexual em crianças

Como detectar um abuso sexual em crianças

O abuso sexual em crianças tem um cúmplice, o silêncio. Ainda que, de modo geral, as pessoas tendam a culpar as autoridades do fracasso nas investigações nesse tipo de delito, a realidade fica patente que o silencio e a vergonha das vítimas são os verdadeiros responsáveis do pouco êxito na detecção precoce do abuso sexual a crianças, inclusive com estupros. 

A forma de agir do próprio grupo familiar ou as pessoas que rodeiam a vítima impede, em muitos casos, a intervenção das autoridades. Os motivos psicológicos são muito poderosos: a culpa (alguns acreditam que ‘tiveram alguma coisa a ver’ para isso ocorresse), o medo da reação do meio e a vergonha. Tudo isso faz que o silêncio, praga das trevas, aumente o tempo que transcorre entre a ação do delito e sua denúncia. Esse prolongamento favorece ao agressor, inclusive quando existem lesões físicas visíveis ou gravidez.  

A melhor resposta para acabar com o silêncio e a vergonha é educar. Somente mediante a educação das crianças sobre o problema, conseguiremos vencer o primeiro obstáculo: a comunicação. É necessário que todas as crianças saibam que podem ser vítimas de abuso sexual por parte de um adulto, inclusive próximo a elas, e que elas devem contar para as pessoas de sua maior confiança, que devem ser os pais. 

A maioria dos menores que sofrem algum tipo de abuso sexual termina manifestando isso de alguma maneira, normalmente de forma velada. As alterações bruscas na sua conduta, ou difíceis de justificar, podem se revelar como sinais importantes a serem levados em conta, e para que se possa falar disso, é fundamental criar um clima de comunicação, confiança e diálogo na família

Os pais devem suspeitar que um menor esteja sofrendo algum tipo de abuso sexual quando existem alguns indicadores físicos como manchas roxas, infecção urinária, dor ao se sentar ou ao andar, sangramento, ou outros indicadores do tipo psicossomático como os transtornos alimentares (anorexia, bulimia) ou insônia. As mudanças de comportamento também são muito reveladoras para os pais: desconfiança, introspecção, tendência ao isolamento, reprodução de comportamentos sexuais que não correspondem à idade, agressividade, problemas escolares, ou transtornos emocionais como a ansiedade, depressão, sentimento de culpa, medos, pânicos e fobias, rejeição a alguns adultos, conflitos familiares. Esses são alguns dos sinais que devem ser levados em conta.  

O que fazer no caso de suspeita de abuso sexual numa criança

Se os pais suspeitarem que os abusos sexuais estejam acontecendo, eles devem agir da seguinte maneira: 

1. Pergunte com muito tato o que está acontecendo. Preste atenção no que o seu filho contar, como ele conta e como ele reage. 

2. Acredite na criança. As crianças não devem mentir a esse respeito. São muito raros os casos de crianças que inventam uma agressão sexual. 

3. Convença a criança que ela não é culpada pelo que está acontecendo, porque a maioria das crianças que sofrem abusos chega a desenvolver um verdadeiro sentimento de culpa. Não podem compreender que alguém faça danos a elas sem haver alguma razão, sem haver feito nada para merecê-lo. A criança deve ser convencida que o culpado sempre é a pessoa maior, que cometeu o delito. 

4. Assegure sua proteção pessoal, seu apoio e que você fará o possível para solucionar o problema.

5. Reforce sua autoestima e ajude-a a renovar a sua confiança em si mesma. 

Marisol Nuevo. Redatora

7 dicas para proteger a criança do abuso sexual (I)

7 dicas para proteger a criança do abuso sexual (I)

O abuso sexual é qualquer atividade sexual com ou sem violência entre um adulto e um menor de idade, ou entre dois menores quando um exerce poder sobre o outro. As ocorrências de abusos vem dos seus próprios familiares e amigos. Todo cuidado é pouco.

Como proteger nossos filhos dos pedófilos

Como proteger nossos filhos dos pedófilos

Se existe algo que nos repugna, tanto aos pais como às mães, são os abusos com crianças. Antes de ter filhos meu estômago já revirava com as notícias sobre os pedófilos ou qualquer outro tipo de ataque indiscriminado contra uma criança. No entanto, desde que sou mãe, a rejeição e o nojo se multiplicaram. É algo que fica impossível de entender.

As crianças não inventam doenças

As crianças não inventam doenças

Os assédios nas escolas, as intimidações, humilhações, ou insultos parecem não ter freios e continuam causando dores em muitas crianças. Por que ainda continua existindo esse tipo de problema nas escolas? O que os pais podem fazer para proteger os seus filhos?

Os piores castigos do mundo a crianças

Os piores castigos do mundo a crianças

Yamato, de 7 anos gostava de atirar pedras contra carros e pessoas de vez em quando. Seus pais, fartos dessa situação decidiram dar-lhe uma lição. Levaram-lhe de carro até um bosque do Japão (no monte Komagatake), conhecido por ser refúgio de ursos selvagens e por suportar baixas temperaturas e o abandonaram. Só 10 minutos. Os suficientes. Yamato desapareceu. Castigos terríveis acontecem em todo o mundo. A gente compartilha alguns deles.

O que a guerra faz às crianças

O que a guerra faz às crianças

Uma guerra, seja qual for, sempre haverá crianças vulneráveis. Por não haver guerra onde você vive, não quer dizer que ela não exista. Cinco anos de guerra na Síria tem afetado profundamente a vida de milhares de crianças que perderam suas casas, suas famílias e suas vidas. E isso não acontece apenas com uma ou duas crianças, e sim com várias delas não apenas na Síria, mas em todo o mundo.

0 comentarios

Ad