Crianças intrépidas, sem medo do perigo

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Existem crianças que adoram os desafios. Parece que quanto mais difíceis, mais interesse desperta nelas. Quando meu irmão do meio colocava alguma coisa na cabeça, não dormia pensando naquilo e não descansava enquanto não conseguia concretizar seus planos. Por um lado acredito que é bom porque demonstra que a criança se propõe a realizar seus desejos e metas. Por outro, pode representar alguma dor de cabeça para a criança e para os seus pais.

Como educar crianças intrépidas

Crianças sem medo. Crianças intrépidas

Uma das recordações que sempre estão presentes nas nossas reuniões familiares são as idas e vindas do meu irmão do meio. Pablo sempre foi o mais corajoso de todos os irmãos. Para ele não havia barreiras, obstáculos nem perigos. Um dos seus desafios mais importantes foi quando ganhou sua primeira bicicleta, por volta dos 6 ou 7 anos de idade. Junto com alguns amigos decidiu descer uma ladeira muito acentuada perto da nossa casa, e à toda velocidade. Assim o fizeram.

Alguns superaram o desafio com um louvor, mas outros sofreram quedas e machucados importantes. Meu irmão rompeu o nariz porque como havia uma curva no final da ladeira e carros passando, sua bicicleta bateu no meio fio da calçada e ele foi direto ao chão e ainda quase bate a cabeça numa árvore. Uff... Eu pensei que minha mãe ia ter um ataque quando o viu todo ensangüentado. E eu? Que susto!

Assim são algumas crianças. Não têm medo de nada, nem de fazer nada. São crianças intrépidas, audazes e corajosas, que fazem os pais tremerem as pernas. Eu me pergunto se essas crianças são assim por natureza ou porque faltou disciplina dos seus pais e a imposição de limites. O que faz com que o nível de adrenalina dessas crianças seja mais alto do que o normal, que não conseguem dominar seus impulsos. Além do mais são crianças muito inteligentes e entregues ao esporte. Eu digo isso pelo meu irmão, que sempre ganhou medalhas de tênis, natação, e apesar das suas travessuras sempre foi um bom filho e irmão, sobretudo.

Estou convencida de que as crianças, principalmente os meninos, possuem esse ‘chip’ e esse descontrole maior do que o normal, em grande parte pela sua natureza. Meu irmão foi educado da mesma forma que o nosso irmão menor. E não é que este não teve seus impulsos, mas foram direcionados a outros desafios. Menos mal, com o tempo, meu irmão Pablo hoje é um homem sereno e tranquilo. Irreconhecível!

Vilma Medina
Diretora de GuiaInfantil.com