Os 5 mandamentos de Harvard para ser um pai modelo

Vilma Medina

Vilma Medina

A sociedade muda. As crianças também, e, é claro, a educação. Antes nossos pais nos davam mais liberdade para que enfrentássemos riscos. Eles davam pouco tempo para que a gente se aborrecesse. E tinham limites claros. E ai de quem ousasse desafiar os limites... 

Hoje as crianças vivem superprotegidas. Os pais lhes ‘economizam’ sofrimentos e riscos. Matriculam os filhos em inúmeras atividades para que se entretenham e apliquem menos normas e castigos para que os filhos não se traumatizem... É evidente que as crianças já não são as mesmas. E os psicólogos advertem: se perdermos de vista essas 5 normas básicas, o nosso filho terá sérios problemas quando adultos. 

As 5 normas básicas da criação segundo Harvard

os-5-mandamentos-de-harvard-pai-modelo A 

Psicólogos da prestigiada Universidade de Harvard advogam em voltar ao passado em determinados aspectos. Contra a nova era digital eles resgatam uma série de premissas básicas que nenhum pai deveria esquecer: 

1. Passar mais tempo com os filhos. Os pais de hoje em dia estão muito estressados. A maioria são pais ‘multitarefa’. Por isso, o mais fácil é chegar a casa e deixar que os filhos se entretenham com os videogames. É a única forma de conseguir um pouco de descanso... Grande erro! O tempo que você não dedica ao seu filho jamais se recupera. As crianças que vivem com a sensação do ‘pai ausente’ terminam tendo carências afetivas e emocionais muito prejudiciais. 

2. Falar mais com os filhos. Falar, conversar... Perguntar como foi o dia. Não somente o típico ‘como foi na escola?’. Seguramente essa pergunta termine com um ‘bem’ e fim da conversa. Interesse-se em conhecer seus amigos e pergunte por eles. ‘Aconteceu alguma coisa divertida hoje na sala de aula?’, ‘Me diga do que brincou no recreio!’. Tente conhecer mais o seu filho. Lembre-se que na escola ele se comporta de maneira diferente. Realmente não lhe conhecerá bem até que você descubra todas as suas facetas.  

3. Ensine o seu filho a resolver problemas sem lhe dar o resultado. E quem fala de problemas fala de conflitos. Não se trata de dar aos filhos o resultado final da soma. O mesmo acontece com os conflitos. ‘O que é que está acontecendo realmente?’, ‘Como você solucionaria esse problema?’, ‘O que poderia acontecer se você tomasse essa decisão?’. Deixe que seja o seu filho quem tome as decisões. Ninguém jamais poderá aprender se os outros tomam as decisões por ele.  

4. Agradeça aos filhos e reconheça suas conquistas todos os dias. Não existe melhor remédio para a autoestima do que a gratidão e o reconhecimento dos pais. Lembre a ele cada dia que ele o levou bem. Isso o ajudará a confiar mais em si mesmo e fará que por sua vez aprenda o valor da gratidão e da compaixão. 

5. Deixe que tomem consciência dos problemas do mundo. Muitas vezes a gente tenta ‘economizá-los’ dos momentos ruins que acontecem no mundo: as guerras, os conflitos, a fome... Devemos deixar que as crianças também sejam conscientes do que acontece ao nosso redor. Isso fará que seja consciente de que no mundo existem problemas a resolver e a criança se dará conta de ela pode ser importante para mudar muita coisa.  

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com

Como ajudar as crianças a resolverem seus conflitos

Como ajudar as crianças a resolverem seus conflitos

Toda criança já vivenciou alguma circunstância, especialmente com os irmãos ou na escola, em que tentou se defender e terminou com sentimentos de impotência, angústia ou incompreensão e talvez não estivesse preparada para enfrentar essas brigas ou mal-entendidos.

Como desenvolver a resiliência nas crianças

Como desenvolver a resiliência nas crianças

A resiliência é a capacidade que tem o ser humano para enfrentar as dificuldades, os problemas e as adversidades da vida, superá-las e transformá-las. Uma criança que tenha vivido na sua primeira infância alguma experiência traumática e de grande dor pode se recuperar e se sobrepor através da resiliência, e ainda será capaz de sair mais fortalecida. Poderia se dizer que a resiliência é uma força mais além da resistência.

Como ensinar as crianças a negociarem

Como ensinar as crianças a negociarem

À medida que as crianças crescem as expectativas que os pais têm em relação a elas aumentam porque acreditam que suas crianças terão a capacidade de comer e se vestir sozinhos, arrumarem o seu quarto, etc. Mas, muitas vezes acontece que as crianças não vêem esses hábitos como necessários e é o começo dos conflitos...

As guerras e os conflitos atacam a inteligência infantil

As guerras e os conflitos atacam a inteligência infantil

As guerras que acontecem em todo o mundo atacam a inteligência infantil. Um estudo recente da ONU (Organização das Nações Unidas) diz que o prejuízo em crianças que vivem em áreas de conflito vai muito além das mortes e mutilações. O risco está no cérebro das crianças. 87 milhões de crianças de até 7 anos só sabem o que é viver em área de conflito. E isso as expõe a marcas que levarão para o resto de suas vidas.

O que a guerra faz às crianças

O que a guerra faz às crianças

Uma guerra, seja qual for, sempre haverá crianças vulneráveis. Por não haver guerra onde você vive, não quer dizer que ela não exista. Cinco anos de guerra na Síria tem afetado profundamente a vida de milhares de crianças que perderam suas casas, suas famílias e suas vidas. E isso não acontece apenas com uma ou duas crianças, e sim com várias delas não apenas na Síria, mas em todo o mundo.

0 comentarios