Estou grávida! Quando é melhor anunciá-lo?

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Acredito que uma das notícias com mais prazer e alegria pode dar uma mulher ao seu companheiro e à sua família é que está esperando um filho. E ainda que a criatura seja ainda um pequeno embrião, a vontade de anunciar a gravidez supera todas as coisas. O que ela deseja é gritar aos quatro ventos de que está grávida, ainda que alguns ensinos aconselhem que seja melhor que ela espere até os três meses de gestação para fazê-lo. 

Quando se deve comunicar uma gravidez

estou-grávida-quando-é-melhor-anunciá-lo A 

Quando comunicar a gravidez? Esta parece uma pergunta muito fácil de responder, mas não é bem assim. Por um lado você pensa: a quem e a quanta gente eu vou querer comunicar a feliz notícia? Aos futuros avós? Aos irmãos mais velhos? Aos amigos e companheiros de trabalho? Por outro lado, devido ao risco cada vez mais evidente de aborto nos primeiros meses de gravidez devido a várias causas como a gravidez tardia, o uso de técnicas de fertilização, o estresse e os maus hábitos de consumo (álcool, cigarro, etc.), muitos casais preferem esperar pelo menos até o segundo mês de gestação. Nessa etapa eles se sentem mais seguros que a gravidez não era apenas um atraso na menstruação. Um alarme falso pode causar alguns desgostos com o casal e na família. 

As estatísticas revelam que uma em cada três gravidezes acaba em abortos espontâneos nas primeiras 12 semanas de gestação. Segundo a sabedoria da ioga, o ideal é que o casal espere até que passem 120 dias depois da concepção para anunciar socialmente a gravidez. Akasha Kaur, professora de Kundalini ioga pré-natal e autora do livro ‘Meditación para el embarazo’ (‘Meditação para a gravidez’ – espanhol) recomenda que a mãe evite pressões emocionais durante os primeiros meses de gravidez. ‘Os filhos são um compromisso maior que o matrimônio, os estudos ou qualquer outra coisa. A vibração de tudo o que você vir, dizer, escutar e fazer e até o que estiver pensando ficará impressa na sua mente’ diz Akasha Kaur no seu livro. 

A sociedade atual não está habituada a considerar este tipo de raciocínio e tradições espirituais, ainda que a cada dia se reflita mais sobre a importância do estado emocional da mãe. O conhecimento da ioga diz que os primeiros meses de gravidez são como quando se prepara a terra antes de semeá-la, e a ocasião oportuna de começar a se preparar para o grande acontecimento que é a chegada da alma do bebê 120 dias depois da concepção. 

A prática do Kundalini ioga aconselha as novas mamães, em companhia de outras futuras mães que aprendam a se relaxar e que dediquem pelo menos três minutinhos por dia de meditação. É de fundamental importância que animem umas às outras e que construam um bem estar comum.

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com