Mamadeiras e chupetas do seu bebê podem conter substâncias cancerígenas

Vilma Medina

Vilma Medina

A partir do dia 6 de novembro de 2015 o comércio de a indústria não poderão mais vender mamadeiras que contenham o produto bisfenol A. É uma substância que pode provocar câncer em bebês

As mamadeiras, chupetas e materiais plásticos podem conter o BPA (ou bisfenol A), e que por desconhecimento muitas mamães têm usado produtos piratas, comprados em camelôs ou não regulamentados e podem estar colocando a vida do pequeno em risco

Estudos mostraram que a substância é tóxica. Ainda que os resultados não sejam conclusivos existe a suspeita que possa causar câncer principalmente em bebês.

O bisfenol A (BPA) já foi banido em diversos países na fabricação de mamadeiras e acessórios

mamadeiras-e-chupetas-bebê-substâncias-cancerígenas A 

No Canadá e nos países da União Européia o produto foi banido. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária resolveu agir por precaução. Desde o ano de 2011 a ANVISA proibiu a fabricação de mamadeiras e acessórios que contivessem o produto bisfenol A. Após a proibição algumas marcas começaram a trazer informações na embalagem das mamadeiras e chupetas

O problema é que os laboratórios do Inmetro não tinham capacidade de analisar se os plásticos utilizados na fabricação desses acessórios infantis tinham ou não a presença do bisfenol A e cumpriam essas determinações. Há um ano o Inmetro capacitou os laboratórios e deu um prazo para que as indústrias se adequassem e a partir dessa semana começa a fiscalização para comprovar que os materiais estão livres de BPA. 

A partir do dia 6 todas as mamadeiras terão de apresentar o selo do Inmetro nas embalagens garantindo que passaram por análise e os pais devem alertar para duas coisas: só comprar artigo infantil no mercado formal e olhar a presença do selo. Existe a obrigatoriedade que o produto seja certificado e ostente o selo do Inmetro. 

Pablo Medina

Redator de Guiainfantil.com Brasil

A chupeta e a lactância

A chupeta e a lactância

A relação entre o uso da chupeta e a amamentação. Segundo um estudo publicado pela Liga do Leite, uma organização internacional não governamental, sem fins lucrativos, que oferece informação e apoio às mães que desejam amamentar seus filhos, existe uma grande relação entre a sucção correta ou incorreta, o uso da chupeta e o êxito da lactância. A informação foi reunida na Suécia em 1987, quando e onde se estudaram oitenta e dois pares sadios de mães e bebês. Os autores concluíram que retirar o uso da chupeta, contribui para o êxito da lactância. 

A leucemia é o câncer mais frequente nas crianças

A leucemia é o câncer mais frequente nas crianças

O câncer é a segunda causa mais frequente de mortalidade infantil em crianças com idades compreendidas entre 1 e 14 anos e atualmente parece que a incidência dessa doença aumenta entre as crianças, daí a necessidade do diagnóstico precoce e de um tratamento eficaz.

Quando a criança tem câncer

Quando a criança tem câncer

Confusão, ansiedade, desorientação, são sentimentos que, em muitos casos, são compartilhados pelos pais de crianças que têm câncer. Tanto a linguagem do diagnóstico como a complexidade, que muitas vezes implicam as terapias de tratamento, dificulta o entendimento dos pais sobre o tema.

O bebê deve se esquecer da chupeta antes dos três anos

O bebê deve se esquecer da chupeta antes dos três anos

A chupeta tem a sua função e numerosos benefícios sobre a primeira etapa do desenvolvimento do bebê, já que, além de acalmá-lo, alguns estudos têm revelado que previne a morte súbita do lactente. Mas, os bebês devem deixar a chupeta antes dos três anos de idade.

Dicas para tirar a chupeta do seu bebê

Dicas para tirar a chupeta do seu bebê

O momento de tirar a chupeta é objeto de uma impressionante quantidade de truques por parte dos pais para convencer a criança que, a partir de determinado momento, já não iremos contar com ela (a chupeta). O êxito dessa difícil tarefa de tirar a chupeta reside em que nós mesmos não nos preparemos para isso e saibamos persuadir aos nossos filhos com a motivação necessária.

0 comentarios