A comunicação dos bebês

Como entender o que os bebês querem e necessitam

Uma das maiores preocupações dos pais é saber entender seus bebês. Algo muito complexo no momento em que não podemos escutar seus pensamentos. Desde o nascimento os bebês têm uma série de instintos que guiarão seu desenvolvimento pessoal. Alguns desses instintos vão dirigidos à comunicação e o aprendizado da linguagem oral. A gente vai repassar as coisas mais importantes na comunicação. 

Como os bebês se comunicam?

Como os bebês falam e se comunicam

Primeiro devemos levar em conta o que é a comunicação. Ainda que seja correta, os dois indivíduos devem entender o mesmo código. Com isso não queremos dizer que tudo o que recebemos de informação do bebê seja comunicação, mas sim que faz parte do processo de aprender a se comunicar. Vejamos os passos que nosso bebê irá percorrer até nos dizer algo concreto e ele o faz de uma forma que podemos entender.

O choro. É um estado que os bebês têm desde que nascem. O choro serve para que os bebês informem que alguma coisa não vai bem. Seja porque está doente, ou simplesmente porque está chateado. Nas primeiras semanas, o bebê se dará conta de que quando chora a gente corre para acudi-lo. Ele utilizará isso no futuro como uma chamada entre outras funções. Será o primeiro processo pelo qual o bebê nos transmite seus sentimentos. “Comunicação negativa”. 

O sorriso. É curioso o processo do sorriso, já que nos mostra que tudo está bem. O ser humano quando nasce tem um processo pelo qual tarda muito tempo em se defender por si mesmo. O bebê depende da mãe para se alimentar e para se defender dos acontecimentos ao seu redor. Ainda que pareça curioso, a gente desenvolve um sistema para que facilite as pessoas se achegarem á nós. Não é coincidência que os bebês sejam tão fofos. Seu rostinho (cabeça grande, olhos grandes, o rosto achatadinho e gordinho) são coisas que inspiram ternura e dependência. O que faz que sintamos a necessidade de protegê-lo. Isso acontece também com o sorriso. Os primeiros sorrisos serão somente gestos, sem sentimentos por detrás. Com o passar das semanas, o bebê começará a sorrir para criar um vínculo com ele. “Comunicação positiva”.

Alcançar as coisas. De um dia para o outro nosso bebê nos surpreenderá enormemente. Quando a gente passar ao seu lado ele esticará os bracinhos para que o peguemos, ainda que não possa se mover do lugar. É o instinto de pegar as coisas. A partir desse momento o bebê tentará alcançar tudo o que chame sua atenção. Na verdade é um instinto para conhecer e aprender, e nos serve como comunicação. Já que pela primeira vez a gente saberá de verdade o que o bebê quer. 

Apontar. De certo modo é considerado o primeiro ato de comunicação do bebê. Esse movimento que nos parece tão simples é muito mais complexo do que imaginamos. Se você notar o que ele fez algumas semanas antes quando apontávamos algum objeto ao nosso bebê ele olhava para o nosso dedo. Não entendia o conceito de apontar. Ele irá aprendendo nos vendo uma e outra vez. Com certeza que quando apontamos algum objeto, acabamos fazendo algum ruído batendo as mãos em direção ao objeto que queremos que ele olhe. Isso fazemos de forma inata para que o bebê aprenda. Ele relacionará os conceitos e após repetirmos muitas vezes a criança entenderá o conceito e será capaz de fazer o mesmo. 

Celia Garabaya
Técnico Superior em Educação Infantil
Infant massage instructor by IAIM (Educadora em massagem infantil)
Diretora pedagógica em British Bubbles

  • O estímulo auditivo nos bebês
    O estímulo auditivo nos bebês

    A audição do seu bebê. As vozes humanas são os sons que mais atraem a atenção do bebê e é importante saber usar esse recurso para chamar sua atenção com distintas vozes, tons, canções e risos, estimulando a audição da criança.

    • Dicas para ensinar o seu bebê a falar
      Dicas para ensinar o seu bebê a falar

      Como ensinar o bebê a falar. Quando nos relacionamos com nosso bebê, nos damos conta de que, na medida em que amadurecem tornam-se cada vez mais sociáveis e se comunicam muito antes de dominarem as complexas regras da linguagem.

0 comentários