Tirar as fraldas do bebê segundo a filosofia Montessori

Como tirar as fraldas das crianças seguindo as idéias de María Montessori

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A retirada das fraldas do bebê implica num desafio para muitos pais. No entanto, a maior parte das crianças se adapta em problemas após um período de adaptação, sempre e quando tenha chegado o momento oportuno e a criança esteja preparada. 

Como retirar as fraldas dos bebês? Que métodos funcionam? Existem muitas teorias e truques, mas entre todos estes, a gente apresenta a que está baseada na filosofia Montessori

7 conselhos Montessori para retirar as fraldas das crianças

tirar-as-fraldas-do-bebê-segundo-montessori A

A filosofia de María Montessori se baseia principalmente em conseguir a autonomia da criança respeitando o seu processo e oferecendo-lhe um meio adaptado e preparado para que possa consegui-lo. Pensando nisso, para eliminar as fraldas da criança, isso é o que se deve fazer: 

- Não depender da idade da criança: segundo muitas teorias, quando a criança completa dois anos, os pais devem começar a retirar as fraldas, mas a filosofia Montessori diz que o momento ideal é quando a criança está preparada para controlar seus esfíncteres, independentemente da sua idade. Depende da sua maturidade a nível fisiológico. Não é algo que se aprenda, é algo que se consegue quando se está preparado. 

- Não depender da estação do ano: ainda que no verão seja mais fácil a retirada das fraldas porque a criança usa menos roupa e pela noite não fica úmida com o frio é preferível eliminá-lo na estação do ano em que a criança esteja preparada par deixá-lo, ainda que seja no inverno. 

- Preparar um ambiente adequado: oferecer à criança tudo aquilo que possa necessitar e que esteja ao seu alcance, seja o urinol, adaptador, uma escadinha para que possa subir no vaso sanitário e toalhinhas úmidas. Dessa maneira, quando sentir vontade, não dependerá da gente para solucioná-lo sozinha. 

- Não obrigá-la a se sentar no vaso sanitário: ao invés de obrigar a criança que se sente no vaso e tê-lo ali como se fosse um castigo é preferível ir-lhe perguntando se necessita fazer xixi ou cocô e estar atentos dos gestos que fazem. 

- Não estabelecer um sistema de prêmios: a criança há de ver que é um processo normal quando o consiga, e terá dado um passo a mais no seu desenvolvimento. Não convém tentar-lhe com brinquedos ou presentes para que o consiga. 

- Não castigá-la ou repreendê-la: na aprendizagem, todos nós cometemos erros e a criança também possa ter alguma ‘fuga’. Ao invés de repreendê-la, os pais devem dar-lhe importância e motivá-la. 

- Não colocar como se fosse um desafio que se consegue em uns dias: algumas crianças demoram dois dias e outras, quinze. Não existem métodos que ajudem a consegui-lo em dias determinados. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com