Vacinas infantis. Benefícios da vacinação para as crianças

Vacinar é a melhor coisa para a saúde da criança. Entrevista com Carlos González

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O pediatra Carlos González é um dos principais defensores da vacinação dos bebês e das crianças e um especialista conhecido em aleitamento materno. No seu livro (em espanhol) que leva o título ‘Em defesa da vacinação. Proteja a saúde do seu filho’, ele explica com argumentos qual é a importância real da vacinação infantil na sociedade atual e nos diferentes países do mundo. 

Os benefícios da vacinação infantil para as crianças

vacinas-infantis-benefícios-da-vacinação A

O que você diria aos pais que estão em dúvida se deve ou não vacinar o seu bebê? 

Que o vacine, sem nenhuma dúvida. Seguindo o calendário oficial de vacinação sem nenhum atraso, porque é o melhor para o seu filho. 

Por que é bom vacinar a criança a nível individual? 

Para protegê-lo contra as diversas doenças protegidas pela vacina. 

O que pode acontecer numa sociedade que deixa de vacinar suas crianças? 

Doenças que já tenhamos esquecido voltariam. Isso já aconteceu em vários países em que a cobertura vacinal tinha diminuído (sobretudo, pela propaganda de ‘grupos antivacinas’). Em décadas recentes tem havido epidemias de tosse ferina na Inglaterra, Suécia, Alemanha e Japão, de sarampo na Holanda e Alemanha, de difteria na Rússia e outros países ex-soviéticos, para dar alguns exemplos. As mentiras dos grupos antivacinas não são mentiras inocentes; causam sofrimento e morte. 

Quais são as mentiras ou as meias verdades que impulsionam os pais a não vacinar os seus filhos? 

São muitíssimas. Eu tive que escrever um livro inteiro! Em linhas gerais, eles dizem que as vacinas não funcionam e que são perigosas. Mais concretamente, eles insistem em atribuir às vacinas certos efeitos secundários (como o autismo, a colite ulcerosa ou a morte súbita do lactente), apesar de estudos e mais estudos que têm demonstrado que não existe nenhuma relação, ou asseguram que foram a higiene e a melhora do nível de vida que acabaram com as doenças infecciosas (certamente essas melhoras ajudaram a diminuir algumas dessas doenças, mas outras se mantiveram, como o sarampo, ou aumentavam com a melhora do nível de vida, como a pólio e as recentes epidemias nos países onde a vacinação diminuiu demonstram que não basta a higiene para preveni-las). Às vezes, as mentiras são descaradas; por exemplo, repetem várias vezes que no Japão não se vacina até os dois anos, quando na realidade se vacina aos três meses; ou que vacinas que são aplicadas na Espanha são proibidas em outros países europeus, quando todos os países europeus têm calendários de vacinação. E muita gente acredita em mentiras semelhantes, apesar de que basta alguns segundos na Internet para encontrar o calendário de vacinação de qualquer país. 

O que é o que mais lhe incomoda nos grupos antivacinas? 

Talvez porque, às vezes eles explicam verdadeiros efeitos secundários das vacinas, mas os exageram até o infinito. Problemas que sucedem uma vez a cada 100.000 ou um milhão de vacinas eles explicam como se fosse a coisa mais normal do mundo. Espalham o medo com tanta eficácia que eu já encontrei alguns pais que quando vacinam aos seus filhos eles se sentem culpados como se tivessem feito alguma coisa de ruim ou perigosíssima. E esses mesmos pais são capazes de carregar seu filho no carro, ou em trem, ou para a praia ou a piscina. Coisas objetivamente mais perigosas do que vaciná-lo, sem pensar duas vezes. 

Atualmente, todas as vacinas do calendário são imprescindíveis? 

Quase nada nesta vida é imprescindível, a não ser comer, beber e respirar. Se as vacinas desaparecessem, simplesmente voltaríamos à situação em que viviam nossos bisavôs. Claro que as vacinas que protegem contra doenças graves e frequentes são mais importantes (ou seja, que sabemos por experiência que seriam frequentes se não fosse vacinado), como o sarampo, a difteria, a tosse ferina e outras muitas, enquanto que a vacina contra a papeira, uma doença habitualmente leve, não é tão importante. 

Em respeito à saúde das crianças que sofrem de alguma doença crônica e estão mais frágeis, agrupar tantas vacinas não é muito para o seu sistema imunológico? 

Isso deve ser analisado com o pediatra cada doença efetivamente. As vacinas de vírus vivos, como a tríplice viral pode estar contra-indicada em alguns casos específicos, como a fase aguda da leucemia ou o tratamento imunossupressor. Mas, em linhas gerais, longe de estarem contra-indicadas, as vacinas são especialmente em crianças com doenças crônicas, pois são elas as mais propensas a adoecer e a sofrer complicações quando adoecem. Respondendo à sua pergunta, o agrupamento de vacinas não é demasiado para o sistema imunológico. Nosso sistema imunológico tem que lidar todos os dias com muito mais antígenos dos que são vistos nas vacinas

Marisol Nuevo