Dia Internacional dos Direitos da Criança

As crianças têm direito a receber uma atenção e proteção especial

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Todos menores de 18 anos têm direito a receber uma atenção e proteção especial. Isso é amplamente divulgado e aceito nos dias de hoje. Mas, nem sempre é o que ocorre. Até o final da década de oitenta do século passado, nem todos os meninos e meninas podiam se beneficiar de uma série de direitos jurídicos imprescindíveis para a sua proteção.

O reconhecimento dos Direitos da Criança

direito-internacional-crianças-mãos A 

Em 1948, a recém-fundada Nações Unidas, a maior organização internacional existente, aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, um documento que continha implicitamente os direitos da criança, ainda que sem conceder a elas toda a relevância que mereciam. Pouco mais de uma década depois, em 1959, a Assembléia Geral da ONU, aprovou a Declaração Universal dos Direitos da Criança, que explicitava, ao longo de 10 princípios, os direitos contemplados na Declaração de 1948. 

Pouco depois, a ONU determinou que o Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para as crianças, seria o organismo encarregado da proteção dos menores. Desde então, tem-se empregado o fundo para proteger juridicamente a infância, e, fruto dos seus debates, no dia 20 de novembro de 1989, nasceu a Convenção dos Direitos da Criança. 

Desde que foi aprovado o documento na Assembléia Geral das Nações Unidas foram sendo ratificados pouco a pouco nos diferentes países dos cinco continentes. Atualmente, são 191 países que ratificaram a Convenção. Em todo o mundo, todos os países se deram conta de que é extremamente importante proteger ao coletivo mais inocente da sociedade. As crianças são crianças e devem ser cuidadas e protegidas juridicamente de uma forma rígida e contundente até que cumpram os 18 anos e se tornem adultas. Assim, os meninos e as meninas são assegurados pelos seus direitos, mas é tarefa dos adultos e governantes velarem pelo seu cumprimento. 

Quatro princípios fundamentais 

Tal como explica a UNICEF, a Convenção descreve os direitos infantis ao longo de 54 artigos e dois protocolos facultativos ou disposições adicionais. E esses Direitos da Criança são regidos por quatro princípios fundamentais: 

1. As crianças não devem sofrer discriminação.

2. O interesse da criança deve ser o mais importante quando forem tomadas decisões que afetem a ela. 

3. Todas as crianças têm direito à sobrevivência e ao desenvolvimento; isso inclui o direito ao bem estar mental e físico. 

4. As crianças têm que expressar seus pontos de vista e sempre têm que ser levadas em consideração as suas opiniões nos assuntos que as afetam. 

Os direitos básicos da Criança 

Dentre todos os direitos que estão incluídos na Convenção de 1989, Guiainfantil.com resumiu os mais importantes e imprescindíveis para que todas as crianças cresçam em um ambiente de paz e alegria e seus pais possam estar tranquilos, sabendo que seus filhos estão devidamente protegidos:

- Direito à vida. 

- Direito a brincar

- Direito de dar suas opiniões. 

- Direito de ter uma família

- Direito à diversão

- Direito à saúde

- Direito à proteção contra o trabalho infantil. 

- Direito a um nome e uma nacionalidade. 

- Direito a desfrutar e conhecer a cultura

- Direito à alimentação e à nutrição

- Direito a viver em harmonia. 

- Direito à educação.