Os prejuízos do álcool durante a gravidez

Consequencias do consumo de álcool durante a gravidez para o bebê

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O álcool durante a gravidez é muito prejudicial porque é uma das causas mais frequentes de atraso mental no bebê. Mesmo os prejuízos do álcool sendo amplamente divulgados por especialistas, muitas mulheres parecem desconhecer os efeitos adversos que um copo de cerveja pode causar no bebê durante seu desenvolvimento na gravidez, porque os dados trazem calafrios.

Na Espanha aproximadamente 25 por cento das mulheres grávidas consomem álcool, na Holanda entre 35 e 50 por cento e mais ainda no Reino Unido e na Irlanda. No Brasil, recente estudo realizado em seis capitais de estados da federação, em que foram avaliadas gestantes atendidas em hospitais públicos, foi verificado que 34,4 por cento delas consumiam bebidas alcoólicas. 

Na gravidez, nenhuma gota de álcool

AS consequências do alcohol durante a gravidez

A celebração do Dia Mundial da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) mostra que essa síndrome afeta 1 por cento dos recém-nascidos na Europa e é a principal causa de atraso mental e malformações no bebê. Inclusive pode causar a morte fetal. Também pode produzir em menor ou maior medida, alterações no desenvolvimento da criança, como complicações físicas, psíquicas, comportamentais e alterações no aprendizado. 

Para continuar com as estatísticas, as crianças que nascem com Síndrome Alcoólica Fetal sofrem atraso mental em 90% dos casos, fracasso escolar em 60 por cento e alterações do comportamento, também por volta de 60 por cento.

Calcula-se que a Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) que os bebês sofrem quando expostos ao álcool durante o período pré-natal, afeta 1% dos recém-nascidos na Europa e é a principal causa de atraso mental e malformações no bebê, inclusive podendo causar a morte fetal. O grau de afetação é totalmente individualizado porque cada mulher tem uma forma diferente de metabolizar o álcool, e, portanto, cada bebê de cada gestante pode ter um efeito distinto. 

Assim, o Transtorno do Espectro Alcoólico Fetal (TEAF) pode dar lugar a bebês com malformações de diferentes maneiras que englobam desde características faciais anormais até lesões físicas irreversíveis e mentais para o resto de sua vida. 

Como ainda a ciência desconhece que quantidade de álcool consumida na gravidez pode afetar o feto, já que cada mulher tem um efeito diferente, a melhor recomendação para todas as mulheres é não beber nenhuma gota de álcool durante sua gestação, já que esse mal pode ser evitado eliminando seu consumo durante toda gravidez. 

Marisol Nuevo. Redactora