A dieta de uma criança com diabetes

Como deve ser a alimentação de uma criança com diabetes

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O diagnóstico do diabetes na infância cai com um balde de água fria nos pais, e não é para menos, já que o diabetes é uma doença crônica que, se não forem respeitadas as recomendações e cuidados médicos apropriados, pode ter, com o tempo, complicações sérias. 

No entanto, as crianças com diabetes não necessitam seguir uma dieta rígida, mas sim respeitar algumas orientações que assegurem uma dieta saudável que mantenha os níveis de açúcar no sangue constantes e em margens recomendadas. Essas orientações não implicam num cardápio rígido, mas que proporcionam informação geral para escolher alimentos e criar uns padrões de refeição corretos. 

Como deve ser a dieta de uma criança com diabetes

a-dieta-de-uma-criança-com-diabetes A 

1. Devem ser rejeitadas as dietas rígidas e não individualizadas. Se não forem recomendadas para os adultos, menos ainda para as crianças. Em primeiro lugar, porque deve ser levada em conta a atividade física da criança, já que devem cobrir suas necessidades nutricionais, e não é a mesma coisa uma recomendação de 1500 calorias para uma criança ativa que para uma criança sedentária. Em segundo lugar, porque os gostos particulares de cada família devem ser respeitados e serem levados em conta, já que isso permitirá uma melhor adaptação às recomendações. Uma mudança brusca nos tipos de comidas pode ser rejeitada e contraproducente. 

2. Convém, acima de tudo, envolver a criança se a sua idade o permitir, na elaboração dos cardápios semanais, de maneira que vá tomando consciência da sua doença e aprendendo a selecionar alimentos apropriados para cada momento. Além disso, uma dieta rígida e entediante pode incitar certa rebeldia que não é nem um pouco desejável. 

3. Manter um aporte constante de carboidratos complexos nas refeições principais (arroz ou massa integral, batatas...) e reservar os carboidratos simples, como as frutas, para os lanches secundários as merendas e para os momentos que se preveja um gasto extra de energia. Limitar as gorduras oferecendo pedaços magros de carne e outras gorduras saudáveis, como o azeite de oliva ou os frutos secos, úteis também como aporte extra de energia. Tentar consumir legumes em abundância, já que contribui com proteína de alto valor biológico se combinados com cereais, além de uma longa lista de micronutrientes e fibras. 

Carlota Reviriego

Nutricionista