O bebê reconhece o cheiro de sua mamãe

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Você é capaz de lembrar-se do cheiro de sua mãe ainda que não esteja perto? O cheiro de uma mãe é único e nos acompanha desde antes do nascimento; esse cheiro nos vincula e nos conecta por toda a vida

O olfato é um dos órgãos mais desenvolvidos do recém-nascido. Ainda não é capaz de ver o rosto da sua mãe, de distinguir bem os seus traços, mas é capaz de reconhecê-la pelo seu cheiro. É algo instintivo e básico para a sua sobrevivência.

O vínculo de uma mãe e o seu bebê através do seu aroma

o-bebê-reconhece-o-cheiro-de-sua-mamãe A 

Que a natureza seja muito sábia não é apenas um ditado, mas um fato. Os bebês nascem com o sentido do olfato muito mais desenvolvido do que terão na idade adulta porque necessitam se assegurar do alimento. É um instinto de sobrevivência primário. 

O olfato é um dos órgãos mais desenvolvidos ao nascer, e ainda que depois venhamos a perder as faculdades olfativas ainda somos capazes de perceber até 1.000 cheiros distintos. 

Assim é como os bebês reconhecem as suas mamães, pelo cheiro e isso é comprovado por vários estudos. Um estudo realizado por cientistas do ‘Wellcome Trust Sanger Institute’ do Reino Unido analisou o instinto de mamar nos bebês. A pesquisa concluiu que os bebês se expõem ao cheiro da mãe desde o útero materno, já que o líquido amniótico tem cheiro, e posteriormente quando nascem eles se lembram desse aroma que desperta seu instinto para a sucção e para se amamentar. 

Uma prova que demonstra que o cheiro da mãe é fundamental desde o nascimento é a seguinte: se o bebê for colocado deitado e de um lado você colocar uma peça de roupa de uma mulher e do outro lado uma peça da sua mãe, ele girará a cabeça para o lado que conhece, ou seja, da sua mãe. 

Também se sabe que os bebês preferem o peito que não está lavado ao que sim estiver. Até mesmo se você o colocar no abdômen, ele é capaz de se arrastar até o peito com os olhos fechados atraído pelo aroma que desprende do leite materno.  

Portanto, não é necessário ‘esconder’ esse odor pessoal com perfumes ou colônias; o bebê prefere esse aroma que lhe tranquiliza e lhe dá segurança e confiança. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com