Reduza o risco de morte súbita no bebê

Vilma Medina

Vilma Medina

Cada caso de Síndrome de Morte Súbita do lactente é uma tragédia difícil dos pais e familiares superar. A impotência que produz encontrar a um bebê sem vida no berço pela Síndrome da Morte Súbita, que é repentina e trágica é mais frequente do que possa parecer. Ainda que os pesquisadores incluam problemas com o estímulo do sono e uma incapacidade para perceber um acúmulo de dióxido de carbono no sangue, como possíveis causas de morte súbita ainda não se têm claro o que realmente causa. O que sabem é como preveni-la. 

Como prevenir a morte súbita do lactente

reduza-o-risco-de-morte-súbita A 

A Síndrome de Morte Súbita do bebê não é uma doença. Conhecida como a ‘morte do berço’ ou Síndrome de Morte Súbita do Lactente se trata de quando uma criança menor de um ano morre repentinamente e não se pode determinar a causa exata da sua morte. A Academia americana de Pediatria (American Academy of Pediatrics) e a Associación Española de Pediatria (AEP) recomendam aos pais de bebês recém-nascidos: 

1. Colocar o bebê para dormir de boca para cima, inclusive durante as sestas e nunca de boca para baixo. Dormir de lado é instável e também se deve evitar. Quando um bebê dorme de boca para baixo tem mais probabilidades de superaquecimento, de ter pausas na respiração, e de voltar a respirar o ar que recém tenha exalado, que carece de oxigênio. É importante se assegurar que familiares, babás e encarregadas da creche que saibam que não devem colocar o seu bebê para dormir de boca para baixo no seu primeiro ano de vida.  

2. Os bebês devem dormir no seu berço e não na cama com outras crianças ou adultos. Tão pouco em superfícies diferentes como um sofá. Se for possível os berços dos bebês devem estar colocadas no quarto dos pais para permitir a alimentação durante a noite. Compartilhar o leito com o bebê lactente também pode causar asfixia, estrangulamento ou que o pequeno fique preso na cama. Vários estudos têm mostrado que quando um bebê está no seu próprio berço, no quarto dos seus pais, o risco de morte súbita é menor.  

3. Os colchões sejam para Moisés e para berços não devem ser moles, mas firmes, planos, bem ajustados e sem cobertores. É recomendável evitar o uso de travesseiros, de brinquedos e outros objetos. O bebê deve deitar num lençol ajustável sobre o colchão (tudo bem se você colocar um protetor fino para o colchão, embaixo do lençol). Não use nenhum tipo de protetor para o colchão. 

4. Dar uma chupeta ao bebê antes de dormir. As chupetas antes da hora da sesta e durante o sono noturno podem reduzir o risco da Síndrome de Morte Súbita porque permitem que as vias respiratórias se abram mais e impedem que o bebê caia em sono profundo. Mas, não force, sobretudo se ele é alimentado no peito. É melhor esperar até que cumpra um mês antes de oferecer-lhe uma chupeta. 

5. Controle as condições ambientais do quarto do seu bebê. A temperatura ambiente deve estar a 22ºC e o bebê deve estar quentinho ao tato. Mantenha o seu bebê num ambiente livre de fumaça

6. Dê-lhe de mamar ou amamente o bebê. Estudos mostram que o aleitamento durante pelo menos 4 ou 6 meses diminui a incidência de algumas infecções das vias respiratórias altas que podem influenciar no desenvolvimento de morte súbita. 

7. Evitar abrigar muito ao bebê. Para que o pequeno não se esquente muito enquanto dorme não o abrigue muito. Revise quantas peças de roupa ele está usando para que esteja cômodo em determinado ambiente. Você notará que o bebê está muito quente se transpira muito e tem o cabelo úmido. Evite cobrir-lhe o rosto e a cabeça com gorros em ambientes internos. 

8. Evite dar mel ao um bebê menor de um ano, já que este pode causar botulismo infantil em crianças muito pequenas, uma doença que é associada à Síndrome de Morte Súbita. 

Até que a natureza da causa não se compreenda por completo, a prevenção total não se trata de uma realidade. 

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com

Morte súbita dos bebês

Morte súbita dos bebês

Os riscos da morte súbita. A morte súbita do lactante é a primeira causa de morte nos países ocidentais em crianças entre um e doze meses. Isso se converteu num verdadeiro pesadelo que atormenta a muitos pais. Segundo as últimas estatísticas, na Europa morrem por ano 5 mil lactantes, vítimas da síndrome da morte súbita. Na Espanha, morrem em média 100 bebês por ano, o que se traduz em que a síndrome afeta um em cada mil bebês. Enquanto a mortalidade infantil tem diminuido substancialmente nos países desenvolvidos, a síndrome tem aumentado em importância.

Que tipo de cardiopatias uma criança pode herdar

Que tipo de cardiopatias uma criança pode herdar

O estudo das cardiopatias familiares é crucial, tanto em crianças como em maiores, já que com frequência estão presentes em indivíduos aparentemente saudáveis e que infelizmente a morte súbita cardíaca pode ser a primeira manifestação da doença.

Espasmo do soluço em bebês, o que é?

Espasmo do soluço em bebês, o que é?

No entanto, alguns bebês, diante de um susto, uma dor forte, uma queda ou uma surpresa podem deixar de respirar por alguns segundos, movimentam os seus braços e inclusive, às vezes, a sua pele fica azulada. Quando isso acontece se pode dizer que o bebê apresenta espasmo do soluço (ou do choro), também conhecido como apneia emotiva.

10 coisas que você nunca deve fazer a um bebê

10 coisas que você nunca deve fazer a um bebê

Antes de se basear no que te dizem as avós sobre a criação das crianças é importante que você conheça os novos conselhos que dão os psicólogos e pediatras. Talvez por desconhecimento, cansaço ou falsas crenças, os pais cometem alguns erros na hora de criar seu bebê. Para que você possa evitá-los a gente te conta quais coisas você nunca deve fazer a um bebê e assim evitar que ele sofra ou colocá-lo em perigo desnecessariamente.

10 sinais de alerta em bebês recém-nascidos

10 sinais de alerta em bebês recém-nascidos

Segundo a Organização Mundial de Saúde – OMS – quase 45% das crianças menores de cinco anos que falecem a cada ano são lactentes recém-nascidos, ou seja, bebês com menos de 28 dias ou em período neonatal; três de casa quatro falecimentos de bebês acontecem na primeira semana de vida e boa parte dessas mortes pode ser evitada com medidas preventivas no parto e na primeira semana de vida.

0 comentarios

Ad