Motivar as crianças a escrever histórias

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Um dos aspectos criativos mais importantes da comunicação é a escrita. Da mesma forma que fazemos com as brincadeiras, o desenho, o estudo ou a leitura devemos fazer com a valiosa forma de expressão que implica a criação de textos. Devemos cultivá-la nos nossos filhos especialmente nos casos do primário, quando eles já manejam com soltura a linguagem oral e já tenham iniciado na leitura. 

O que fazer para despertar a escrita nas crianças

motivar-as-crianças-a-escrever-histórias A

As crianças amam escrever aquilo que escreveram durante anos. Elas gostam de compartilhar suas criações, lê-las e acompanhá-las de desenhos. Isso proporciona a elas uma mistura de emoções, entre vergonha e orgulho. Os primeiros passos artísticos podem vir da mãe de uma rima simples, de uma adivinhação inventada, de uma mensagem pregada na geladeira ou no correio eletrônico, ou da descrição de um sentimento em relação a nós mesmos.

É fantástico que as crianças possam valorizar o caráter comunicativo e perdurável da escrita; é um excelente exercício para o seu aprendizado, em se beneficiar das habilidades que melhoram com a criação da escrita: a busca por idéias, lembrança de vivências e da organização da informação. Ainda que a princípio existam vários fatores formais como a falta de ortografia, falta de concordância, má organização do discurso ou cortes abruptos, devemos felicitar a criança e animá-la na produção de textos. Neste período de aprendizagem, a imitação de textos ou leituras conhecidas para a criança é chave. A criança deve saber reconhecer os tipos de textos, funções expressivas ou intenções do escritor. 

A escrita vai fortemente agarrada às mãos da leitura. Normalmente o estímulo à escrita é mais fácil quando previamente temos lido livros com os nossos filhos e temos estimulado para que eles leiam por si mesmos. Um papel em branco é um desafio que todos os nossos filhos não conseguirão enfrentar sem um pouco de ajuda.

Podemos, a princípio, ser participantes ativos das suas criações e colhendo idéias uns dos outros; corrigir e advertir-lhes dos erros com tolerância, ler rimas e poesias para apreciar a estética da linguagem requerida para a ocasião e continuar desfrutando juntos com a leitura de escritos próprios e alheios, assim como convidar nossos filhos para que façam uma descrição ou narração oral de sonhos ou vivências do dia. 

Patro Gabaldón