Porque devemos evitar gritar com nossos filhos

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Até a pessoa mais paciente, tranquila e calma já perdeu, em algum momento, as estribeiras diante de um mau comportamento infantil e viu-se gritando com seus filhos para repreendê-los. Somos humanos, mortais e imperfeitos, e por mais que tentemos fazer bem as coisas, às vezes nos equivocamos. Suponho que ninguém gostaria de se chatear e gritar com seus filhos, mas o que ocorre quando esse comportamento é constante e se educa os filhos na base do grito e de maus modos.

Consequências de gritar aos filhos

Porque não se deve gritar aos filhos

Ontem levei meus filhos para a natação e no vestuário, enquanto os pais vestiam as crianças, uma mãe gritava sem parar com seu filho por qualquer motivo: porque não colaborava em se vestir, porque a agarrava com força... Tudo era motivo de gritos e os outros pais ficavam se olhando com pena e escandalizados. Talvez essa mãe tenha tido um dia ruim, talvez a criança estivesse se comportando mal o dia todo, ou talvez, lamentavelmente, era sua maneira de tratar do seu filho.

Em algumas ocasiões os pais aplicam modelos educativos herdados dos seus pais. E se eles os tratavam ‘a mão de ferro’, acabam empregando a mesma estratégia e não entendem que o trato e a educação dos filhos possam ser de outra maneira. Em outras ocasiões, o estresse ou a frustração dos pais, quem acaba pagando são os mais fracos, as crianças.

No entanto, todos os pedagogos e psicólogos infantis estão de acordo nesse ponto: para conseguir que a criança obedeça e tenha um bom comportamento, não é necessário humilhá-la, gritar ou empregar a violência verbal.

- Pode ser que elevar o tom em algum momento determinado cause o efeito esperado, mas se isso for constante, a criança se acostumará e os gritos não terão o efeito pretendido pelos pais, que passarão a exercer autoridade com seus filhos através do autoritarismo.

- O constante emprego do grito pode contribuir para a deteriorização da autoestima da criança, que não se sentirá valorizada ou querida pelos seus pais, muito pelo contrário, pode se converter numa criança rebelde, desafiando a autoridade dos pais constantemente.

- Os pais são exemplo para os filhos e uma conduta agressiva terá um impacto direto sobre a criança, que adotará esse comportamento e se acostumará também a gritar e a ter condutas agressivas. Logo a criança vai empregar o mesmo comportamento com seus amigos, conhecidos ou contra os próprios pais.

- Só causará um estado de nervos e estresse na criança, que não será nada benéfico para seu desenvolvimento.

Agora pare e pense, você é daqueles pais que gritam muito com seus filhos? Talvez seja o momento de tentar outro caminho e logo você verá que vai ser muito mais efetivo.

Alba Caraballo. Redatora de Guiainfantil.com