Crianças mimadas. O que os pais podem fazer

Como identificar y educar a uma criança mimada

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

No esforço de muitos pais em mimar seus filhos, com frequência esquecem que sua principal função é prepará-los para o mundo real, fora do ambiente familiar, mantendo-os sadios e salvos e se assegurando que eles adquiriram condutas sociais adequadas para motivar sua autonomia na medida em que vão se aproximando da idade adulta.

Perfil das crianças mimadas

Como educar as crianças mimadas

Se esses mimos são dados às crianças de forma exagerada e constante, converteremos nossos filhos no que se conhece de crianças mimadas e acabarão sendo crianças tiranas. São essas crianças que acreditam ser o centro do mundo, que reclamam muita atenção dos pais e que não importam como suas atitudes afetam aos outros.

- Estão muito centradas em si mesmas e acreditam que são o centro do mundo. 

- Exigem muita atenção, não somente dos seus pais, mas de todo o mundo. E, quanto mais lhe dão algo, mais reclamam. 

- Não podem, ou não querem ver o modo como as suas condutas afetam aos outros. 

- Têm uma baixa tolerância ao incômodo, especialmente a causada pela frustração, a desilusão, o aborrecimento, a demora ou a negação de algo que pediram; normalmente expressam com birras, ataques de ira, insultos e/ou violência

- Desenvolvem escassas condições (se é que chegam a desenvolver alguma) para resolver problemas ou enfrentar experiências negativas. 

- Culpam os outros do que fazem, ao mesmo tempo em que esperam que sejam os outros os que solucionem o problema. 

- Às vezes custam sentir culpa ou remorso pelas suas atitudes. 

- Custa muito a elas se adaptarem aos ambientes alheios à família, principalmente na escola, porque não respondem bem às estruturas sociais estabelecidas nem as figuras de autoridade. 

- Se sentem permanentemente tristes, enfadadas, ansiosas e/ou emocionalmente frágeis e frequentemente têm uma baixa autoestima.  

Como tratar as crianças mimadas 

É evidente que, se pretendermos romper o círculo de mimos, os pais devem ser quem deverão iniciar o processo. Existem poucas crianças, se é que existe alguma, que renunciem voluntariamente à vida fácil, que decidam espontaneamente mudar de atitude e de fazer o mínimo esforço para isso.. É conveniente buscar ajuda de um centro de psicologia para poder realizar uma mudança fundamental na forma como a hierarquia familiar está estruturada, e assim a criança volte a assumir suas próprias tarefas de desenvolvimento. 

De qualquer modo, temos alguns padrões importantes a seguir: 

- Com a educação da criança, os pais devem ser tolerantes, mas devem impor limites às suas atitudes e condutas quando essas são inapropriadas. 

- Os bebês e as crianças devem receber carinhos e mimos, no entanto, um excesso de mimo é tão prejudicial quanto um excesso de autoridade com a criança. 

- Evitar a superproteção às crianças. As crianças menores devem poder evoluir e adquirir experiências e os pais não podem criá-las dentro de uma bolha ao seu redor. 

- As ordens na família, que deve dar são os pais e não a criança. A estrutura na família é hierárquica. 

Alicia López de Fez
Fundadora e Diretora do Centro de Psicologia López de Fez, em Valencia (Espanha)