Angina e faringite na garganta das crianças

Causas, incidência e fatores de risco da angina e da faringite

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Angina e faringite são a infecção da faringe e das amídalas das crianças. É uma inflamação da faringe que provoca geralmente dor de garganta e que pode ser causada por uma variedade de microorganismos.

A faringite é provocada por uma variedade de microorganismos. A maioria dos casos são virais e incluem os vírus que causam o resfriado comum, a gripe (vírus da influenza), adenovírus, mononucleose, HIV, entre outros.

As causas bacterianas incluem o streptococcus do grupo A, que produz a faringite estreptocócica, além da Cornebacterium, Arcanobacterium, Neisseria gonorrhoeae, Chlamydia pneumoniae e outros. Em até 30% dos casos não se identifica nenhum organismo.

Angina e faringite na garganta dos bebes e das crianças

A maioria dos casos de faringite se apresentam durante os meses mais frios, durante a estação de doenças respiratórias. É comum o contágio entre os membros da família.

A faringite estreptocócica é uma causa grave da faringite. As complicações da faringite estreptocócica podem incluir febre reumática aguda, insuficiência renal e doenças graves tais como bacteremia e a síndrome de shock tóxico por streptococcus.

Sintomas da angina e da faringite

- Dor de garganta
 
- Os sintomas adicionais dependem dos organismos subjacentes.

- A faringite streptocócica pode estar acompanhada por febre, dor de cabeça e gânglios lingáticos inflamados no pescoço.
 
- A faringite viral pode estar associada com coriza e secreção nasal.

- Os casos graves de faringite podem estar acompanhados por dificuldade para engolir e, com raridade, na dificuldade para respirar.

Sinais e exames da angina e da faringite

O médico efetua um exame da faringe para avaliar se existe drenagem ou recobrimento, também pode-se examinar a pele, os olhos e os gânglios linfáticos do pescoço.

Se existe suspeita de faringite streptocócica, pode-se realizar um exame para streptococcus e/ou cultivo por citologia da garganta. Podem ser realizados cultivos adicionais de garganta e/ou exames de sangue de acordo com o organismo que se suspeite (por exemplo, mononucleose, gonorréia, etc.).

Tratamento da angina e da faringite

O tratamento da causa subjacente. As infecções virais se manejam com medidas de suporte tais como gargarejo com água quente e sal, analgésicos e líquidos. Indica-se terapia antibiótica se for diagnosticada faringite estreptocócica.

Expectativas (prognóstico)

A maioria dos casos de faringite se resolver por si só e sem complicações.

Complicações da angina e da faringite

As complicações possíveis de uma faringite estreptocócica incluem a febre reumática, inflamação dos rins, bacteremia (bactérias na corrente sanguínea) e, excepcionalmente, a sindrome de Shock por streptococcus. Em algumas formas mais graves de faringite (por exemplo faringite por mononucleose grave), pode-se apresentar obstrução das vias aéreas. É possível que se apresente um abcesso peritonsilar ou um abcesso retrofaríngeo.

Situações que requerem assistência médica

Deve-se buscar assistência médica, se se desenvolver uma dor de garganta persistente que não se resolva em alguns dias ou se tem febre alta, gânglios linfáticos inflamados no pescoço ou erupção. Se a pessoa tem dor de garganta e tem dificuldade de respirar, deve buscar ajuda médica imediatamente.