Peixe na dieta de gestantes e crianças

Benefícios e riscos do peixe na gravidez e na infância

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O peixe é um alimento saudável que tem que estar presente na dieta das crianças e gestantes pelo seu alto conteúdo em proteínas e sua baixa quantidade de gorduras saturadas. 

O peixe concentra nutrientes básicos tanto para o crescimento e desenvolvimento das crianças como na evolução do bebê no útero materno. Além de proteínas tem ferro, cálcio, ômega 3, vitaminas e zinco. 

O peixe na dieta da gestante

peixe-na-dieta-gestantes A

O peixe tem que ser um alimento presente na dieta da gestante, pois além do peixe branco ser baixo em gorduras, os ácidos graxos Omega 3 ajudam na formação do tecido cerebral do bebê. Já que não podemos fabricar estes ácidos graxos devemos ingeri-los com a alimentação. 

Em todo o caso, alguns peixes, devido à contaminação de rios e mares contêm substâncias que podem ser prejudiciais na gravidez, como o mercúrio e a dioxina. Para evitá-lo, convém: 

- Assegurar-se que o peixe está bem cozido e preferivelmente retirar-lhe a pele. 

- Evitar consumir espécies que se alimentam de outras como o tubarão ou peixe espada, já que o conteúdo de mercúrio pode ser maior.

- Executar uma correta higiene na manipulação do peixe cru e lavar bem as mãos e os talheres utilizados. 

Além disso, convém evitar o peixe cru, defumado, em conservas ou marinados, já que podem estar contaminados com o parasita Anisakis. Convém então comer o peixe sempre cozido. 

O peixe branco é mais recomendável durante a gravidez que o azul, já que tem menos gordura e é digerido mais facilmente. Em todo o caso, não se deve evitar o peixe azul na dieta da gestante porque é rico em ácidos Omega 3

O peixe na dieta das crianças

peixe-na-dieta-de-gestantes-crianças A 

Ainda que os adultos conheçam os benefícios e a importância de incorporar o peixe na dieta da criança, nem sempre é fácil, já que é um dos alimentos que juntamente com as verduras e frutas que a criança mais rejeita. No entanto, comer também se aprende e os pais devem mostrar uma atitude positiva e firme contra essa rejeição, mas como? 

- É importante limpar bem o peixe antes de servi-lo à criança para que não encontre nenhuma espinha. 

- O peixe pode ser combinado com outros alimentos que as crianças gostam mais como as pizzas. 

- Quanto antes se incorpore o peixe na dieta da criança e de forma mais natural, melhor. Desde o nono mês do bebê já se pode introduzir o peixe nos purês.

- Os pais podem elaborar molhos para tornar o seu sabor mais agradável ao paladar da criança ou inclusive apresentá-lo de forma divertida com formas diferentes.

- Quando a criança puder colaborar na cozinha, ajudará fazendo com que ela participe na elaboração da receita. 

Em todo o caso, não devemos nos esquecer que o peixe pode produzir alergias devido a uma reação à proteína do peixe ou por um parasita presente em alguns peixes chamado Anisakis. Por isso, os pediatras recomendam introduzi-lo pouco a pouco nos purês da criança para comprovar sua reação.

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com