Decálogo sobre as cólicas do bebê lactente

Tudo o que você deve saber sobre a cólica de gases em um bebê

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Uma das perguntas mais frequentes dos pais nas primeiras semanas de vida do seu bebê, é: o que são cólicas do lactente? Trata-se de episódios de choro prolongado, às vezes inconsolável, que se repetem quase todos os dias, sobretudo pela tarde e pela noite. Apresenta-se em crianças saudáveis com poucos meses de vida. 

Não é uma doença e até o momento não se tem encontrado a causa específica para as cólicas, inclusive, pode ser que seja uma variante normal do choro. Também é importante saber que é normal que as crianças sadias chorem durante duas horas ou mais durante o dia, ainda que não tenham cólicas. 

10 coisas que você deve saber sobre as cólicas do lactente

decálogo-sobre-as-cólicas-do-bebê-lactente A 

1 – Não se conhecem bem as causas das cólicas. Misturam-se motivos psicológicos, sociais ou problemas digestivos

2 – Diante de uma cólica você deve manter a calma, já que se trata de um processo benigno e passageiro. 

3 – Procure consolar o bebê e tente saber por que ele chora: fome, sede, troca de fraldas, calor, frio. 

4 – Procure que o ambiente seja tranquilo e relaxado; não transmita ansiedade à criança. 

5 – Podem ser úteis as massagens no abdômen, os passeios no carrinho ou de carro, a música suave. 

6 – Para ajudar-lhe a eliminar os gases e prevenir uma cólica lembre-se de carregá-lo por uns minutos depois da mamada em posição vertical para que possa expulsá-los arrotando. 

7 – Procure o serviço de emergência se o choro da criança for acompanhado de palidez, sudoração, e estiver muito decaída e estiver rejeitando a amamentação. Também se apresenta febre, vomita ou faz deposições com sangue. 

8 – Não administre à criança nenhum medicamento nem troque de leite sem falar com o pediatra. 

9 – Atualmente não existe nenhum tratamento com efetividade comprovada. 

10 – É importante entender que é um transtorno benigno que acaba desaparecendo por si só com o tempo (é raro que dure mais além dos 4 meses de idade). 

Malena Hawkins

Pediatra