Como os bebês aprendem

Assim é o processo de aprendizagem do bebê

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A inteligência é a forma de como solucionar problemas a partir de experiências passadas. Como o bebê tem poucas experiências, não se pode dizer que seja inteligente, mas por outro lado, tem muita vontade de aprender, tem um cérebro com 100 bilhões de neurônios e o potencial necessário para poder adquirir um alto nível de inteligência.

Estímulos do bebê desde o seu nascimento

A aprendizagem dos bebês

Os bebês aprendem constantemente, e esse aprendizado ele vai armazenando. À medida que seu corpo fica mais resistente, seu cérebro vai tomando consciência, de forma que quando for capaz de caminhar e explorar o mundo que o rodeia, o cérebro já contém as bases para armazenar conhecimentos. O bebê ainda não tem muitas experiências guardadas, já que demora vários anos acumulando, mas pouco a pouco vai criando experiências, que o ajudam a se enriquecer e aprender a enfrentar o mundo.

Ter um bom começo, uma infância cheia de ricas e variadas experiências, sempre ajuda. Desde que o bebê nasce, ele tem um leque de capacidades sensoriais: o tato, a audição, a visão, o olfato, o paladar e o equilíbrio. Todas elas proporcionam diferentes sensações. Seu corpo se desenvolve lentamente ainda é incapaz de fazer tudo o que quer. Isso não significa que suas experiências careçam de valores, simplesmente não sabe como reagir a eles. 

O cérebro de uma criança está muito mais ocupado do que o de um adulto. Os neurônios absorvem toda a informação que pareça útil. Para organizar essa informação, os neurônios têm que se comunicar entre eles. Esse processo se realiza através de uma sinapse. 

O cérebro de um recém-nascido contém cerca de 2.500 sinapses ligadas a cada um dos 100 bilhões de neurônios. No caso de uma criança de 2 anos, essa cifra aumenta a 15.000 sinapses por neurônio a mais das que se produzem no cérebro de um adulto. A razão de que um adulto tenha muito menos, é que muitas dessas comunicações se perdem. As mais utilizadas se fortalecem e as menos utilizadas se debilitam e vão desaparecendo. 

Os primeiros anos os bebês e crianças absorvem tudo, mas depois quando vão crescendo, o cérebro vai selecionando a informação. Além dos fatores genéticos, o bebê recebe muita informação do seu meio, que deve ser rico e variado. Quanto mais conversas, música, emoções, integração sensorial, estímulo mental e atividade física, mais possibilidades terá de se converter num adulto animado, sensível, inteligente, responsável. Quanto mais brincar com seu bebê e explorar o seu mundo no dia a dia, mais probabilidade ele terá de ser um adulto criativo e com muita imaginação. Os bebês precisam explorar e aprender através das brincadeiras.  

Desde os primeiros dias, quando o bebê está deitado no berço observando o teto, é consciente das formas, sombras e sons que o rodeiam. Sua audição é sensível para tolerar ruídos bruscos. Ele desfruta de uma música agradável, o que proporciona a experiência necessária para distinguir ritmos e sons. Quando o adulto o abraça, enche de mimos, o balança no ar, o bebê tem sensações de tato e equilíbrio. 

María Algueró
Especialista infantil
Especialista em Intervenção Precoce
Blog  Atencionycuidadosdelbebe.com