Os terríveis dois anos do bebê

Aprender a suportar a etapa dos dois anos do bebê

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A etapa dos dois anos do bebê implica numa mudança radical na sua forma de ser. Tanto é assim que ela é conhecida como ‘os terríveis dois anos’. O bebê começa a adquirir autonomia, tende a impor seus desejos e no seu vocabulário já tenha se instalado o ‘não’. 

Aos dois anos, as crianças recorrem às estratégias mais desesperadoras para chamar a atenção dos pais: chorar, chutes, gritos, birras... É possível que nem o bebê saiba que lhe ocorra isso, mas para que a sua nova atitude não tenha um efeito devastador em você, a gente dá alguns conselhos úteis.  

O que são os terríveis dois anos

os-terríveis-dois-anos-bebê A 

Os terríveis dois anos podem começar na realidade um pouco antes. Por volta dos 18 meses as crianças já começam a chamar a atenção dos pais, a medir forças e essa atitude pode se estender até os 4 anos. É uma fase normal que ela deverá passar, ainda que umas crianças a vivenciem com mais intensidade que outras. 

Essa fase se caracteriza assim porque o bebê se mostra caprichoso, egocêntrico, faz birras e se chateia com facilidade, chora para conseguir seus objetivos... Tudo isso se deve porque começa a adquirir mais autonomia, e todas essas novas habilidades que possui e que lhe dá mais liberdade, o impulsiona a tentar conseguir tudo o que deseja. 

É uma fase passageira, mas que se torna desesperadora e esgotante para os pais. No entanto, existem certas atitudes de comportamentos que a gente pode ter com a criança para que aprenda a se controlar e esses terríveis dois anos sejam um pouco menos terríveis. 

Como agir em relação aos terríveis dois anos do bebê 

- Crie rotinas: ao bebê lhe ajudará a ter uma vida organizada e a conhecer o que vai acontecer a cada momento. Isso dá à criança mais segurança e confiança. 

- Não reaja com violência: se tiver uma birra ou chora, tente manter a calma ou inclusive sair do quarto por um momento. Gritar com a criança o castigá-la não apenas não ensina como é contraproducente. É preferível ensinar à criança que enquanto agir dessa forma você não dará atenção a ela. 

- Antecipe-se: antes que se desencadeie uma birra, tente evitá-la. Se você conhece como ela vai reagir diante de determinadas circunstâncias é preferível evitá-las, ou pelo menos enquanto não saiba controlar suas emoções. 

- Dê-lhe carinho: mostre-lhe afeto. É fundamental que as crianças cresçam num ambiente onde possam sentir o carinho e o amor. 

- Normas: comece a criar normas e limites. Poucos e fáceis, mas claros e entendíveis para a criança e tente que todo mundo que esteja em contato com ela siga essas normas. 

- Dedique-lhe tempo: passar tempo com os filhos, ainda que seja pouco é fundamental. Estimula o vínculo e gera uma relação próxima e de confiança. 

Alba Caraballo

Editora de GuiaInfantil.com