Transtorno opositor desafiante em crianças

Quando as crianças se mostram negativas e coléricas

Vilma Medina

Vilma Medina

É normal que ao longo do desenvolvimento evolutivo seja possível encontrar condutas desafiantes em crianças. Com frequência pode começar na idade pré-escolar e continua na adolescência se não for tratado. Não tem por que ser um problema se os pais o enfrentarem com calma e impondo limites e respeito.  

Os tipos de comportamentos desafiantes que aparecem ao longo da evolução dos pequenos podem tomar diferentes formas, desde a passividade extrema em que a criança se mantenha inativa sistematicamente na hora de obedecer, a outros tipos de respostas como verbalizações negativas, acessos de cólera, discussões com adultos, irritabilidade ou uma resistência agressiva

O que causa o Transtorno opositor desafiante na infância

como canalizar a ira da criança

Se esse tipo de comportamento aparece de maneira esporádica não implica em nenhuma inconveniência, mas quando se convertem na maneira habitual de se relacionar é quando começam os problemas na criança e o seu ambiente. Produz-se um deterioro significativo na vida social, acadêmica e familiar do pequeno. 

O Transtorno opositor desafiante tem inúmeras causas. Existem vários fatores implicados nas causas dessa síndrome que favorecem o seu desenvolvimento. 

- Fatores biológicos relacionados com a neurologia. Pode haver um déficit nos neurotransmissores que modulam as emoções e as condutas. 

- Fatores de aprendizagem. A criança aprende que com seu comportamento desafiante pode receber a atenção das suas figuras de autoridade quando quiser.  

- Fatores do desenvolvimento. Se o apego não se estabelece nas primeiras etapas do desenvolvimento pode ser um elemento de desestabilize o temperamento da criança e sua maneira de se relacionar. Afeta também o desenvolvimento de sua autonomia. 

- A imaturidade e a falta de experiência em relação à educação das crianças usando modelos autoritários e violentos ou muito permissivos são também componentes implicados nesse transtorno. 

- Outro elemento que não se pode evitar é a separação ou divórcio entre os pais

O que fazer diante do Transtorno opositor desafiante em crianças 

Devido à sociedade em que vivemos onde se dê maior inclinação aos fatores necessários para o desenvolvimento desse Transtorno é cada vez mais frequente ver condutas desafiantes em crianças pequenas. A crise e a mudança na estrutura nas famílias contribuem para que esse transtorno esteja mais presente nos dias de hoje. 

De acordo com vários estudos, esse transtorno afeta entre 3 e 8% da população infantil. Se não receber um tratamento adequado, o transtorno pode evoluir a comportamentos antissociais e transtornos mais graves, por isso é importante que: 

- Os pais estabeleçam normas e limites apropriados ligados a consequências razoáveis. 

- Os pais transmitam destrezas e ensinem habilidades sociais adequadas para poder administrar os problemas e os conflitos.

- Utilização da comunicação assertiva. Deixando de lado a agressividade e a passividade comunicativa. 

- Manter o controle. Não perder a calma. 

- Reforçar as condutas positivas da criança. 

Quando se faz necessária a intervenção de profissionais, podemos encontrar tratamentos efetivos como: 

- A psicoterapia dirigida à modificação de conduta para pais. 

- Psicoterapia dirigida ao desenvolvimento do autocontrole e tratamento da ira no menor. 

Borja Quicios
Psicólogo educativo

Como saber se uma criança tem problemas de habilidades sociais

Como saber se uma criança tem problemas de habilidades sociais

É difícil encontrar números sobre quantas crianças não possuem as habilidades sociais adequadas, já que muitas delas não sofrem nenhum transtorno evidente, e, portanto, nunca chegam a ser tratados deste problema. Ainda assim, calcula-se que 89% dos problemas que as crianças tenham sejam sociais, ou seja, estão relacionados com as pessoas e suas interações.

Vamos cuidar da saúde mental das crianças

Vamos cuidar da saúde mental das crianças

As doenças e transtornos mentais, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) atingem mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil, estima-se que 23 milhões de brasileiros sofram de transtornos mentais e o mais preocupante é que entre 75% e 85% das pessoas não têm acesso a um tratamento adequado.

Uma criança pode ter dupla personalidade?

Uma criança pode ter dupla personalidade?

É importante mencionar que quando se fala de dupla personalidade estamos fazendo referência ao transtorno de múltipla personalidade e este não é um diagnóstico que seja muito comum em crianças. A maioria dos estudos clínicos tem adultos envolvidos que tiveram infâncias muito traumatizantes e desenvolveram esse transtorno mental.

Autismo, esquizofrenia e transtorno bipolar

Autismo, esquizofrenia e transtorno bipolar

Transtornos como o autismo, a esquizofrenia e o transtorno bipolar compartilham um importante número de genes que contribuem para o seu desenvolvimento segundo um estudo da Universidade da Columbia, em Nova Iorque (EUA) publicado na edição digital da revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Em que consiste a automutilação entre adolescentes

Em que consiste a automutilação entre adolescentes

Um comportamento muito comum entre adolescentes no Brasil tem assustado muitos pais, que ficam sem entender quando seus filhos aparecem com marcas nos braços e outras partes do corpo. Trata-se da automutilação, conhecida também como self cutting (cortando a si mesmo).

0 comentarios