Síndrome da criança invisível

Sintomas da 'criança invisível'. Transtornos da conduta infantil

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Isolada, distante, irritada, fantasiosa e retraída. Esses são alguns sintomas da ‘Criança invisível’, um transtorno na conduta da criança que não se sente valorizada e querida por outras pessoas que a rodeia e demanda dessa forma mais atenção. São crianças retraídas e muito imaginativas, que buscam no seu mundo de fantasia onde se sentir cômodas. 

Sintomas da Síndrome da criança invisível

Sindrome da criança invisível

A ‘Criança invisível’ é uma criança que se sente abandonada pela sua família (normalmente pelos seus pais). Acredita que é invisível diante dos outros. Apresenta sérias carências afetivas e passa grande parte do dia sozinha e isolada. Inclusive pode chegar a se sentir como um ‘peso’ para o resto da família, já que pensa que está sobrando. Entre os sintomas da ‘Criança invisível’ você poderá encontrar: 

- Se for pequena (menos de três anos), será uma criança irritada, que chora de forma desconsolada. Apresenta um desenvolvimento psicomotor mais lento e grande ansiedade e angustia diante da separação dos pais e em alguns casos, desnutrição. 

- A partir dos três anos, ela começará a se isolar do restante das crianças e se mostrará rebelde, desobediente e teimosa. Trata-se de uma criança muito observadora e com uma imaginação transbordante e com certa lerdeza nos seus movimentos. 

- A partir dos seis anos, começará a mostrar problemas para se relacionarem com os outros, já que tem medo de ser rejeitada. Isso, e a aspereza das suas atitudes e movimentos fazem da criança alvo de chacotas pelos seus colegas. Sua autoestima é muito baixa e ela se mostra muito triste. Enxerga o seu entorno como uma ameaça e possui um grande sentimento de culpa. 

Consequências da Síndrome da criança invisível 

Se não for tratada a tempo, a criança invisível passará a ter muitos problemas durante a adolescência. Será insegura, desconfiada, facilmente manipulável. Buscará o consolo rápido e fará qualquer coisa para ser aceita em um grupo. Mostrará predisposição ao consumo de álcool ou drogas, e quando adulta, seus problemas de relacionamento ficarão cada vez pior. Ela sentirá um vazio e buscará de forma ansiosa prazeres artificiais que possam encher esse grande vazio. Ela se sentirá fracassada e pouco empreendedora. 

Como tratar a Síndrome da criança invisível 

A melhor coisa, sem nenhuma dúvida, é prevenir o aparecimento de todos esses sintomas. Seu filho necessita de carinho e atenção desde quando nasce, ou melhor, desde o ventre materno. Quando seu filho ainda for um bebê, dê-lhe carinho, abraços e beijos. Ele deverá se sentir querido e apoiado em todo o tempo. A partir dos três anos, brinque muito com ele e deixe-o explicar, ainda com escassas palavras, tudo o que ele gosta e que o diverte. Ofereça a ele consolo quando sentir medo e reforce a sua autoestima. A partir dos seis anos, comunique-se bastante com ele. Ajude-o a expressar seus sentimentos, como ele se sente e que problemas ele tem. 

Assim que a criança apresentar sintomas da ‘Síndrome da criança invisível’, é melhor consultar um especialista. 

Estefanía Esteban
Redatora de GuiaInfantil.com