10 conselhos para ajudar crianças envergonhadas

Como ajudar as crianças a superar a timidez

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Entender o que a vergonha e quais são seus componentes nos permitirá ajudar as crianças envergonhadas a administrar essa emoção que aparece pela primeira vez dos 18 aos 24 meses e que vai se desenvolvendo ao longo de toda a infância. 

A vergonha faz com que as crianças sintam raiva, frustração, tristeza ao se depararem em uma situação que os incomodam quando acreditam que os outros as estão julgando e avaliando. A gente te conta o que os pais podem fazer para ajudar as crianças a superarem a timidez. 

Como ajudar as crianças a superar a vergonha

10-conselhos-para-ajudar-crianças-envergonhadas A 

A vergonha é uma emoção social complexa que todos nós sentimos em alguma ocasião com mais ou menos intensidade. Dizemos que é uma emoção social porque só podemos nos sentir envergonhados quando estamos em companhia de outras pessoas. E complexa porque é o resultado da combinação de três emoções básicas: a ira, o medo e a tristeza. 

Praticamente a totalidade das crianças passa por fases passageiras em que apresentam com frequência episódios de vergonha. Estas etapas podem aumentar coincidindo com alguma mudança importante na vida dos nossos filhos, por exemplo: início da escola ou creche, chegada de um irmãozinho... Momentos em que as crianças se sentem mais inseguras e vulneráveis. 

A insegurança ou a falta de confiança em si mesmo são ingredientes importantes no aparecimento da vergonha em crianças e adultos. Portanto, a primeira coisa que devemos fazer para ajudar as crianças envergonhadas é potencializar sua autoestima e aumentar sua confiança. Como? Seguindo estes 10 conselhos que a gente propõe: 

1. Elogiar seus progressos e reforçar positivamente nem tanto o resultado final, mas o esforço realizado. 

2. Ser modelos a seguir, ensinando com o exemplo. Devemos explicar-lhes que os adultos também sentem vergonha em muitas ocasiões e que devemos aprender a superá-la para conseguir nossos objetivos. Que não é fácil, mas que somos capazes de fazê-lo ou de tentá-lo. 

3. Apoiar nossos filhos nas situações novas sem superprotegê-los

4. Incentivar que se relacione com outros meninos e meninas participando das festas de aniversário que forem convidados e ir com frequência a parques, etc. 

5. Estimular que a criança faça perguntas e petições a terceiros, por exemplo, quando vamos comprar pão ou pedimos um refrigerante num restaurante. 

6. Promover sua autonomia e independência. Permita que faça coisas sozinhas e sem necessidade de ajudar. 

7. Evitar criticar a criança quando fala, pinta ou dança. 

8. Não falar nem responder pelo seu filho quando alguém se dirige a ele e não quer responder, mas tão pouco defendê-lo taxando-o de ‘tímido’ ou ‘envergonhado’... 

9. Não forçar que faça nada que não deseje fazer como, por exemplo, falar, dançar diante da avó quando vem a casa para demonstrar como a criança faz bonito. 

10. Evitar as comparações com os outros, sejam amigos, companheiros ou irmãos. Quando a gente compara uma criança com outra nós estamos lançando a idéia de que não gostamos da criança do jeito que ela é e que preferíamos que ela fosse outra pessoa. 

A vergonha é uma emoção natural e como qualquer outra emoção podemos aprender a administrá-la adequadamente. Uma criança segura e confiante em si mesma é uma criança com menor tendência a se sentir envergonhada em situações sociais como falar em público ou fazer solicitações a terceiros. 

Sara Tarrés

Psicóloga Infantil