Quando a criança tem demasiados presentes de Natal

Ensinemos as crianças a valorizar o que já têm

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Em breve chegará Papai Noel carregado de presentes para as crianças que tenham se comportado bem e tenham tirado boas notas durante o ano. Durante o Natal as crianças se enchem de brinquedos e presentes. Tantos, que na maioria das vezes podemos afirmar que são demasiados. 

Ás vezes, as crianças recebem tal quantidade de brinquedos que se vêem sobrecarregadas e terminando fazendo pouco caso de muitos deles e não é raro ver crianças rodeadas de brinquedos e dizendo que estão aborrecidas.

Excesso de brinquedos pode gerar um excesso de estímulos

quando-a-criança-tem-muitos-presentes-natal A 

Esta avalanche de brinquedos faz com que as crianças fiquem sobrecarregadas de estímulos, provocando que não tenham tempo para aprender a estar sós e a tolerar a frustração que se desencadeia quando, em um determinado momento acabam se aborrecendo sem saber o porquê. E isso é um erro, pois a única pessoa que podemos assegurar que será nosso companheiro de vida, de forma incondicional até o final dos nossos dias somos nós mesmos. 

É por isso, que desde pequenos temos que aprender a gostar de nós mesmos estarmos contentes com a gente. Por isso, é bom que as crianças aprendam a estar sós por alguns momentos. Quando são pequenas temos que deixá-las treinar isso, dizendo-lhes: ‘está vendo estes carros, ou estas bonecas? Aproveite e monte uma sala de aula para brincar como se fosse um professor, que mamãe volta em alguns minutos para ver o que é que está fazendo, e esse tempo vá se alongando cada vez mais. Deixe a imaginação da criança criar asas. 

É bom que as crianças façam atividades, mas hoje em dia existem algumas crianças que têm uma agenda apertadíssima, sem tempo livre para brincar, para aprender a se divertir e a estar sós ou com seus irmãos. As crianças têm que aprender a se aborrecer, começando por tolerar frustração por não ter um plano de forma contínua. Não é bom que um adulto esteja guiando constantemente suas atividades, incluindo as de lazer.

O esforço das crianças tem prêmio

Com o excesso de brinquedos acontece uma coisa parecida. Existem crianças que têm quase tudo disponível no mercado e não são capazes de desfrutá-lo. Por quê? Em muitas ocasiões porque não valorizam. Quando as coisas nos vêm dadas e não tivemos nenhum esforço pra consegui-los não valorizamos tanto como aquelas pelas quais lutamos, que tenhamos trabalhado e que tenha custado um esforço para consegui-los. Papai Noel traz presentes para as crianças que tenham sido boas durante o ano, e é muito importante dar ênfase a este requisito às crianças, pois dessa forma podemos ligar estes presentes, os brinquedos, ao comportamento da criança e ao esforço que ela tenha feito durante o ano. 

Existem crianças que recebem demasiados brinquedos e se juntam com tantos presentes que acabam se esquecendo e não são capazes de ‘atender’ a todos. Sejamos razoáveis e utilizemos o senso comum. Não devemos encher as crianças de presentes e brinquedos desnecessários. O ideal é ter um pacto prévio com a família e os amigos.

As crianças escolherão os seus brinquedos, guiados pelos seus gostos e pelos anúncios vistos na televisão ou na internet ou brinquedos que tenham sido vistos na casa de algum amiguinho, mas isso não tira a autoridade dos pais para que dirijam a cartinha de Papai Noel em função da idade e das necessidades de cada criança. Assim, por exemplo, sempre é bom incluir livros de leitura, cadernos de atividades, lápis de cor, pinturas, estojos, que podem ser usados como material escolar

Outro brinquedo que a criança tiraria muito proveito é uma lousa para escrever, pois quando for pequena adorará brincar de professor e aluno com os bichinhos de pelúcia e bonecos e quando for mais velha poderá servir como suporte para trabalhar em casa com os deveres. E não devemos nos esquecer uma premissa fundamental: ensinemos as crianças a valorizarem o que elas já têm

Silvia Álava Sordo

Psicóloga e Diretora da Área Infantil 

do Centro de Psicologia Álava Reyes Consultores. 

Colaboradora de GuiaInfantil.com