Os benefícios do sol para as crianças

Conselhos para que o nosso filho se beneficie do sol de forma sensata

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Nos últimos anos, com toda a razão, tem sido lançada em todo o mundo uma cruzada contra a exposição prolongada aos raios solares. Na verdade, porque a radiação solar se relaciona com o aparecimento de cânceres de pele, tanto os temidos melanomas como os não-melanomas.

No entanto, sempre e quando se realize de forma prudente e moderada, a exposição ao sol também contribui com muitos benefícios tanto para crianças como para adultos.

As vantagens da exposição solar para a criança

os-benefícios-do-sol-para-as-crianças A

O aumento do câncer de pele e melanomas nos últimos anos tem feito com que a exposição ao sol seja vista como uma ameaça importante, e temos nos esquecido dos seus benefícios. Aqui, iremos expor alguns deles, não sem antes lembrar que devem aplicar o bom senso quando expuserem os seus filhos ao astro-rei: 

1. Efeito antidepressivo. Os ciclos de depressão coincidem com os meses com menor exposição à luz do sol (na Europa, coincidem com o outono e inverno). O motivo é que a produção de serotonina se reduz se acontece escassa luz natural. Pode afetar, não somente os adultos, mas também crianças e adolescentes.

2. Efeito sedativo. A luz do sol induz a síntese de opióides endógenos, fato que se traduz no bem estar e tranquilidade.

3. Ativação da vitamina D. A maior parte da vitamina D está na forma inativa (como provitamina D2 ou como provitamina D3). O sol, e em concreto, a luz ultravioleta B de 290-315 Nm, se encarrega da sua ativação inicial, que se completa depois no fígado e nos rins. Por tal motivo, se for aplicado protetor solar sempre e em todo o momento nas crianças, a mencionada ativação é dificultada, e isso aumenta o risco de desenvolver raquitismo.  Para preveni-lo, recomenda-se a exposição solar sem filtro no rosto e antebraços, quinze minutos por dia, durante três dias na semana. Um alerta: os pais devem ser rigorosos com essa medida e não se excederem, pois a pele de uma criança é muito delicada. Bebês lactentes ao sol, nem pensar! 

Iván Carabaño Aguado

Chefe do Serviço de Pediatria

Hospital Universitário Rey Juan Carlos

Hospital General de Villalba