Nada de espinafre, atum ou peixe espada para bebês e gestantes

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição (AESAN) endurecem os alertas alimentares após revisar o efeito dos metais na saúde. A agência desaconselha o consumo de acelgas, espinafre, atum ou peixe espada para crianças menores de três anos e para gestantes. 

A agência recomenda com mais dureza não consumir estes alimentos pela sua alta contaminação por mercúrio. Estas grandes espécies acumulam nos seus tecidos gordurosos o mercúrio que absorvem de suas presas na sua forma mais tóxica (metilmercúrio). O metal gerado em grande medida pela atividade industrial, quando ingerido pelas mulheres durante a gestação pode ocasionar alterações graves no desenvolvimento neural do feto e o mesmo pode ocorrer em crianças de pouca idade.

Alimentos não recomendados para bebês e gestantes

nada-de-espinafre-atum-peixe-espada-gestantes A

Assim que você já sabe. Nada de espinafre, acelga, alface ou beterraba nos purês ou nas papinhas dos bebês menores de um ano, nem muito menos no prato de comida das gestantes ou no período de aleitamento

Além disso, a AESAN recomenda não dar mais do que uma ração ao dia desses vegetais às crianças entre um e três anos. Além da acelga e do espinafre, não é recomendado o consumo de grandes peixes pelo seu elevado conteúdo em mercúrio, nem de crustáceos, pelo cádmio, um metal pesado que pode ser encontrado também nos mariscos. O metal se prende ao fígado e aos rins humanos e pode causar disfunção renal.

Quanto ao nitrato encontrado nas folhas de espinafre e acelgas, ele é pouco tóxico em si, mas quando consumido pelos humanos se transforma em nitritos, podendo ocasionar a cianose (bebê com pele azulada), devido à falta de oxigênio no sangue e em alguns casos estar vinculado com o câncer gástrico.

Às crianças entre três e 12 anos de idade, a AESAN aconselha limitar a 50 g por semana o consumo de qualquer dos peixes mencionados. Se existe algo positivo em tudo isso é o despertar da necessidade de que vigiemos e estejamos atentos ao que estivermos comendo e dando aos nossos filhos, e que a gente possa refletir sobre a necessidade de melhorar o nosso compromisso com o meio ambiente.

Vilma Medina

Diretora de GuiaInfantil.com