Quando realmente começa a obesidade nas crianças?

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Uma criança não se torna obesa da noite para o dia. A obesidade é o resultado de um mau hábito de alimentação que, segundo os especialistas, começa quando o bebê ainda dorme no berço. 

Um ambiente familiar estável e com uma boa educação alimentar poderá evitar com que o bebê sofra de obesidade com o passar dos anos e que ao longo do tempo poderá reduzir a esperança de vida.

A obesidade, um mal que cresce entre as crianças

quando-realmente-começa-obesidade-crianças A

A obesidade continua crescendo. Somente na Espanha, um em cada três crianças entre 3 e 12 anos de idade sofre de sobrepeso, ou seja, pesa mais do que deveria para a sua idade. Este é o resultado de uma pesquisa feita com mais de 26 mil crianças em 29 cidades espanholas, e que também revela que a relação das crianças com a alimentação se cultiva desde o berço. Nos três primeiros anos de vida de uma criança, quando se define o comportamento alimentar e também o risco de que este comportamento permita problemas de saúde com os anos. 

O estudo, apresentado pela Fundação Thao, em colaboração com a Fundação Espanhola de Nutrição e algumas universidades espanholas revela que quase 30% das crianças espanholas sofrem de sobrepeso ou obesidade. Quase 10% correspondem a crianças de três a cinco anos de idade, o que leva a concluir que o problema da obesidade deve ser combatido nos primeiros anos de vida do bebê. A obesidade, segundo o estudo, afeta mais as meninas, ainda que as suas causas ainda tenham que ser definidas. 

O sobrepeso das crianças está vinculado aos hábitos de alimentação e não da herança. O diretor da fundação Thao, Rafale Casas alerta que os primeiros anos de vida são um período crucial na aquisição dos hábitos alimentares. Ele destaca três momentos cruciais para conseguir que os bebês cheguem aos cinco anos com um peso normal: 

1 – Quando o bebê desenvolve sua preferência por sabores. É essencial que os pais se envolvam e acompanhem aos seus filhos a conhecer novos sabores.

2 – Quando a criança começa a regular a ingestão de alimentos. Os pais devem regular a saciedade do bebê. 

3 – Quando chegam à criança as instruções familiares e culturais sobre a alimentação e a atividade física. Quando os bebês abandonam o aleitamento e entram em contato com a alimentação complementar não significa que tenha que comer como os adultos. Muitas famílias se equivocam em utilizar o alimento como recompensa.