Citomegalovírus na gravidez

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Sandra estava grávida de três meses. Pegou um resfriado. Um simples catarro. Seguramente tenha sido contagiada de um dos seus dois filhos: Javi, de três anos e meio e Pablo, de dois anos. O ginecologista não lhe deu maior importância. A gravidez transcorreu normalmente, até que o seu filho nasceu. 

Gonzalo aparentemente era um recém-nascido normal. Mas, no quinto dia de nascido os médicos deram à Sandra um terrível diagnóstico: seu filho tinha paralisia cerebral. A causa? O citomegalovírus, popularmente conhecido como o ‘vírus do irmão mais velho’.

O que é o Citomegalovírus e como afeta a gravidez

citomegalovírus-na-gravidez A 

O caso de Sandra não é único. Calcula-se que 1 em cada 150 crianças é afetada pelo ‘vírus do irmão mais velho’. O vírus, da família do herpes se chama exatamente citomegalovírus. Não é um vírus problemático, a menos que afete a uma gestante no primeiro trimestre de gravidez. Neste caso, pode ter terríveis consequências para o bebê. Entre outras coisas, tem muitas possibilidades de nascer com paralisia cerebral e surdez. Também pode causar-lhe cegueira, incapacidade física e mental e até a morte. 

Mas, por que se chama o ‘vírus do irmão mais velho?’ Porque normalmente a grávida se contagia através de um filho pequeno. Um simples catarro pode ser o sintoma, aparentemente ‘inofensivo’ que transmite o fatídico vírus. 

Pouco se fala deste vírus, no entanto, é o causador de mais deficiências entre os recém-nascidos do que a Síndrome de Down, a espinha bífida, ou a Síndrome do Alcoolismo Fetal. Às vezes se demora em diagnostica, já que muitas dessas crianças nascem sem sintomas. Pouco a pouco se observa neles um escasso ou nulo aumento do perímetro do crânio, surdez e um atraso psicomotor.

Como prevenir o contágio do citomegalovírus durante a gravidez

Esse vírus não afeta a todos os bebês igualmente. Tudo depende do momento em que a gestante se contagie, pois é um vírus que afeta o desenvolvimento do cérebro. Se o bebê estiver no primeiro trimestre de gravidez, os danos podem ser mais severos. Se, por outro lado, o vírus chega no último trimestre, o cérebro já se desenvolveu bastante e o vírus pode passar sem deixar grandes sequelas. 

Mas, o que a gestante pode fazer para prevenir o contágio? O vírus se contrai mediante a saliva, lágrimas, sangue, mucos... E o principal transmissor pode ser uma criança pequena entre 1 e 3 anos. Portanto, é possível se prevenir dessa forma: 

- Lavar bem as mãos após a troca de fraldas. 

- Lavar bem as mãos após assuar os mucos de um filho. Jogar fora imediatamente o lenço utilizado. 

- Não compartilhar os talheres do filho pequeno. Nem tão pouco os guardanapos.

- Evitar beijos na boca do filho pequeno

Leve em conta que para este vírus ainda não existe vacina. A única forma de evitá-lo é mediante a prevenção.

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com