Refluxo gastro-esofágico nos bebês

O sintoma mais comum desta moléstia são os frequentes vômitos

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Não existe nada mais incômodo quando, depois de comer, o alimento sólido ou líquido, é devolvido do estômago ao esôfago, provocando vômitos e náuseas. Esse mal repentino não é uma experiência só de alguns adultos. O refluxo gastroesofágico, como é conhecido, afeta também aos bebês, principalmente depois de tomarem mamadeira e de comidas.

O esôfago é um canal muscular que conduz os alimentos da boca ao estômago. Na parte inferior desse músculo, funciona como uma válvula, que se abre para que o alimento passe ao estômago, e se feche para evitar que o alimento volte. Quando o esfíncter não funciona bem, seja por imaturidade, ou por sua debilidade, o alimento acaba voltando ao esôfago e daí à boca, provocando muita acidez e vômitos. Isso é o que acontece quando o bebê sofre de refluxo gastro-esofágico, um transtorno digestivo muito comum nos bebês.

Sintomas do refluxo nos bebês

Refluxo gastro-esofágico em bebês

O sintoma mais comum são os vômitos frequentes e em grande quantidade. Além disso, pode-se notar que o bebê chora aparentemente sem motivo e com persistência, mostra-se irritado, tem dificuldade para dormir, tosse com frequência, têm ânsias de vômito, e se nega a comer. Consequentemente, o bebê não ganha ou perde peso, não cresce, ou pode, em casos mais crônicos, ter um inchaço do esôfago, e inclusive chegar a ter uma úlcera.

Causas do refluxo nos bebés

Na maioria dos casos, os bebês apresentam refluxo por causa da imaturidade do seu sistema digestivo. A partir dos seis meses, quando o bebê começa a estar mais erguido, e quando inicia a dieta de alimentos sólidos, o problema pode atenuar. Normalmente, isso ocorre em 80 por cento dos casos. O refluxo somente é considerado patológico quando os episódios de vômitos e regurgitações não cessam depois dos seis meses.

Lembre-se de que um diagnóstico preciso somente o pediatra pode dar. Assim que se o seu bebê apresenta alguns desses sintomas, não se adiante pensando que o que tem é refluxo. Primeiro, consulte com o pediatra, quem fará os exames apropriados ao caso. Como aliviar o refluxo do seu bebê.

Como suavizar os sintomas do refluxo gastro-esofágico

A melhor forma para suavizar os sintomas do refluxo é manter o bebê em posição vertical depois de sua alimentação, evitar movimentá-lo muitas vezes, e fazê-lo arrotar várias vezes enquanto toma a mamadeira ou lhe dá de mamar. O recomendável é dar-lhe de comer mais vezes e em menor quantidade. A partir do terceiro ou quarto mês, pode-se espessar o leite e controlar que os bicos da mamadeira sejam do tamanho adequado, para que o bebê não trague ar ao comer. Além disso, é necessário evitar as gorduras, as frituras, o chocolate, sucos cítricos, bebidas com gás e iogurte. É aconselhável que o bebê durma levemente erguido. Ponha algo que o levante levemente, embaixo do seu travesseiro.

Se nota que os sintomas continuam e que isso está prejudicando a saúde do seu bebê, consulte com o pediatra para que lhe faça os exames pertinentes ao caso do seu bebê.

Tratamento do refluxo gastro-esofágico

Para tratar um caso de refluxo deve-se considerar a idade e os sintomas do bebê. Alguns podem ser que não necessitem de tratamento e só precisem de alguns cuidados para aliviar os sintomas. Outros, pode ser que necessitem de medicamentos. Mas em pouquíssimos casos se indica uma cirugia.

Quando o refluxo gastro-esofágico é grave

O refluxo se converte em uma preocupação quando, ao voltar o alimento do estômago ao esôfago, caia no conduto de ar. Isso pode causar problemas de respiração, asma, pneumonia, e em alguns casos, a síndrome da morte súbita do lactante.

Os casos mais graves são tratados com remédios que ajudam a neutralizar a acidez do estômago. Os efeitos dos medicamentos são tão eficazes que em poucos casos se chega a indicar uma cirurgia.

Fontes consultadas:
- Healthsystem- University of Virginia
- Hospital Medical Center - Cincinnati Childrens