Quando vacinar as crianças contra a gripe

A eficácia da vacina da gripe em crianças

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

O vírus da gripe tem a capacidade de mutação de ano em ano, ou seja, cada ano é diferente. Dessa forma, consegue que nossas defesas não possam reconhecê-lo e por isso pode voltar a provocar a mesma doença uma vez ou outra. Não gera imunidade após a infecção, como acontece no caso do sarampo ou da rubéola, por exemplo. 

Por essa razão, todo ano uma vacina diferente é fabricada, adaptada aos vírus que estarão presentes durante a estação da gripe

A eficácia da vacina da gripe em crianças

quando-vacinar-as-crianças-contra-a-gripe A 

Ainda que seja muito variável, a eficácia da vacina da gripe em crianças é limitada. Em menores de dois anos a eficácia é baixa e entre as crianças de 2 e 9 anos se estima em 50 a 65%. A atividade da vacina é variável porque depende também do grau de semelhança entre as cepas dos vírus incluídos nas vacinas, e dos vírus que finalmente esteja em circulação durante a temporada gripal. 

A vacinação contra a gripe é anual e deve ser administrada durante o outono de cada ano. 

Que crianças devem se vacina contra a gripe 

A vacina contra a gripe em crianças é recomendável a partir dos seis meses de vida, principalmente naquelas com doenças que as tornam mais propensas às complicações: 

1. Doenças respiratórias crônicas (como a fibrose cística, displasia broncopulmonar, bronquiectasias, asma, etc.). 

2. Doença cardiovascular grave (congênita ou adquirida). 

3. Doença metabólica crônica (por exemplo, diabetes mellitus, erros congênitos do metabolismo, etc.). 

4. Doença renal crônica (como insuficiência renal, síndrome nefrótica, etc.) ou hepática. 

5. Doença inflamatória intestinal crônica. 

6. Imunodeficiência congênita ou adquirida (inclui a administração de corticóides orais em doses altas e contínuas). 

7. Crianças sem baço ou naquelas em que ele não funcione (asplenia funcional ou anatômica.

8. Doença oncológica (câncer)

9. Doença hematológica moderada ou grave (anemias graves). 

10. Doença neuromuscular crônica e encefalopatia moderada ou grave. 

11. Má nutrição moderada ou grave. 

12. Obesidade mórbida. 

13. Prematuridade. 

14. Síndrome de Down ou outros transtornos genéticos com fatores de risco. 

15. Tratamento contínuo com ácido acetilsalicílico. 

16. Gravidez em adolescentes

Também devem se vacinar crianças saudáveis a partir dos 6 meses, adolescentes e adultos saudáveis que convivam com pacientes de risco (com as doenças descritas anteriormente). Outras indicações, como seria o emprego sistemático nos pequenos que frequentam creches. 

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda que todas as crianças entre seis meses e cinco anos devem ser vacinadas.

Roi Piñeiro Pérez

Pediatra