As regressões nas crianças

Por que algumas crianças querem voltar a ser menores

Vilma Medina

Vilma Medina

O aprendizado de uma criança nem sempre avança em linha reta. Algumas vezes, sem a gente esperar e sem aviso prévio, retrocede. Ocorre por exemplo diante da chegada de um irmãozinho. A criança volta a buscar sua chupeta, tira os brinquedos que havia guardado e volta a fazer xixi na cama. De repente volta a se comportar como um bebê. É o que se chama de regressão. 

Porque acontece a regressão nas crianças 

Quando a criança regride

Existem muitas razões para que as crianças, de repente, voltem à sua primeira etapa. De repente, um dia, a criança, que já controlava o xixi e o cocô, volta a necessitar de fraldas. Os pais às vezes se chateiam e tendem a repreender o filho. Mas isso é um erro. A criança só está pedindo, com essa atitude, mais atenção por parte dos seus pais. 

Dentre as razões porque isso acontece e se produz uma regressão na criança, estão: 

- A chegada de um irmãozinho: aparecem os ciúmes e a criança tenta chamar a atenção dos pais, que nesse momento estão dedicando mais cuidado com o recém-nascido

- O medo de crescer: a regressão acontece, sobretudo entre os 3 e 5 anos, momento em que a criança deixa de ser tão pequena. Pode coincidir com o começo da sua etapa pré-escolar. Logo exigem dela uma série de tarefas, como a dos adultos, e a criança sente medo do fracasso. 

- Começa ir à escola: logo aparece o medo do desconhecido. O mundo dos adultos lhe assusta e prefere voltar à sua primeira etapa, quando era um bebê e não exigiam nada dela. 

- A morte de um familiar: quando a criança é muito pequena, ela não entende o significado da morte. Se de uma hora para outra desaparece da sua vida alguém com quem se relacionava muito, ela pode se sentir desorientada. A regressão é, nesse caso, uma forma de busca dessa pessoa que acaba de perder. 

- Problemas na relação entre os pais: quando a criança não encontra estabilidade no lar e presencia constantes brigas, aparece o temor e a insegurança. Em determinadas ocasiões se manifesta dessa forma, com um passo atrás do aprendizado adquirido até esse momento. 

Sintomas de que existe regressão nas crianças 

A criança pode dar apenas um sinal ou vários alarmes. O mais freqüente é que a criança volte a fazer xixi nas calças, ou de uma hora para outra começa a falar como um bebê, desfazendo-se de todas as palavras e a destreza que tinha adquirido com a linguagem. Pode ser que simplesmente volta a brincar com chocalhos e artigos de bebê ou que peça uma chupeta e ande pela casa com ela. 

Os sintomas são mais claros e evidentes: quando nosso filho imita ao seu irmão menor ou a um bebê e começa a se comportar como ele, existe regressão. 

O que podemos fazer quando a criança sofre regressão 

Temos que tentar entender os motivos que levaram a criança a se comportar assim. Uma vez detectada a origem desse transtorno, poderemos tentar resolvê-lo. Às vezes a regressão não tem nenhum motivo. Acontece simplesmente porque a criança precisa dar um tempo na sua evolução e decide dar um passo para trás. Não é nada. Devemos entender essa situação como algo natural e sermos compreensivos. E como podemos ajudá-la? 

- Evitar dizer frases negativas como ‘você parece um bebê’ ou ‘você já é grandinho para fazer essas besteiras’. 

- Brinque mais com ela. Dedique-lhe mai tempo. Com freqüência só estão demandando isso: mais tempo dos seus pais. 

- Não repreenda nem se chateie com a criança. É cansativo ter que começar de novo com o controle do xixi ou ter que corrigi-la de novo cada vez que fala como quando tinha dois anos, mas os pais têm que ser pacientes. 

- Não imitá-la. Não use palavras que ela usa para se sentir de novo um ‘bebê’. Corrija-a, mas sem se chatear. 

Estefanía Esteban
Redatora de GuiaInfantil.com

Como preparar as crianças para a chegada de um irmãozinho

Como preparar as crianças para a chegada de um irmãozinho

Quando você já tem um filho e descobre que está grávida, sabe muito bem o que é isso e o que representa na sua vida, mas o que a maioria das mães não se dá conta é realmente o que um irmão vai representar para a vida do primogênito da família.

O filho favorito

O filho favorito

Este é um tema que é muito polêmico, porque nenhum pai admitirá (pelo menos diante dos seus filhos) que tem um filho favorito. Ou, pelo menos, não deveriam fazê-lo. Dizem que os filhos favoritos não existem, mas em algumas ocasiões existem sim.

Relação entre irmãos: ter um irmão mais velho

Relação entre irmãos: ter um irmão mais velho

Quando eu comecei ir à escola, eu tinha seis irmãos em cursos superiores. Ainda que esteja claro que hoje em dia isso não seja nada comum, esta situação tinha muito mais vantagens do que desvantagens no âmbito escolar. O que eu nunca irei me esquecer é que ninguém, mas ninguém mesmo, se atrevia a se meter comigo.

A Paz ensina as crianças a viverem como irmãos

A Paz ensina as crianças a viverem como irmãos

A Paz é a nobre arte de viver como irmãos, uma qualidade que não nasce com a criança, mas que os pais devem ensiná-la desde pequenas. No Dia Internacional da Paz, todos nós deveríamos refletir sobre nós mesmos se estamos fazendo todo o possível para ensinar aos nossos filhos esta nobre arte tanto em casa como nas escolas.

A rivalidade das crianças é saudável

A rivalidade das crianças é saudável

Entre as crianças, especialmente entre meninos existe muita rivalidade no esporte e muitos dos enfrentamentos que as crianças têm se devem a um empurrão acidental, uma má palavra, um ‘não saber perder’ ou uma humilhação improcedente. Seguramente responda a um instinto primitivo de ser o ‘mais forte’, o mais habilidoso, o que mais manda. Em definitivo, o dominante ou o líder em um grupo.

0 comentarios