Alergias alimentares infantis já podem ser curadas

Vilma Medina

Vilma Medina

Uma semana antes de voltar ao trabalho minha cunhada começou a retirar o peito da minha sobrinha e tentar com que ela se acostumasse com o bico da mamadeira. Era importante que sua filha encontrasse outro modo de se alimentar enquanto ela estava fora de casa. No início o objetivo se tornou uma ‘missão impossível’. A criança era muito esperta e não aceitava aquela nova forma de alimentação.

Substituir o peito pela mamadeira é uma aventura para todas as mamães e para os seus bebês quando a mãe se esforça para conciliar a vida familiar e o trabalho. Mas, passar do mamilo para o bico da mamadeira não foi o pior neste caso. A substituição do leite materno pelo leite de fórmula não fez bem à menina. Em poucos dias o seu pediatra diagnosticou que a pequena tinha alergia às proteínas do leite de vaca. 

A alergia aos alimentos das crianças tem solução

alergias-alimentares-infantis-curadas A 

A alergia ao leite e ao ovo implicou numa transformação nos hábitos alimentares não apenas da menina, mas da família toda, já que era somente tocar em uma colher impregnada com leite ou ovo aparecia a reação nessa zona da pele. 

Em busca de soluções, essa mamãe e sua filha tiveram a sorte de fazer parte de um programa (uma novidade), de indução oral (imunoterapia oral) específica à tolerância de alimentos. Mediante a ingestão de quantidades mínimas e de forma progressivamente crescente do alimento causador da alergia, a criança conseguiu superar sua alergia alimentar ao leite e ao ovo. O tratamento se realiza de maneira individualizada até alcançar uma ração normal para a idade, o que permite evitar reações adversas. Desde então minha sobrinha tolera ambos os alimentos e isso lhe permite levar uma vida normal sem restrições nem reações graves. 

Este tratamento está conseguindo resultados positivos em 90% das crianças tratadas e há alguns anos hospitais como o da USP tem obtido excelentes resultados. Na Espanha também um número crescente de centros hospitalares vem aplicando essa técnica. Atualmente, entre 2 e 10% da população infantil sofre de alguma alergia alimentar e os especialistas asseguram que isso vem aumentando. 

As mais habituais, por ordem de frequência, são ao ovo, ao peixe e ao leite de vaca. E, ainda que a história natural seja favorável, com tendência à cura, em algumas crianças com alergia a alimentos difíceis de evitar como o leite e o ovo, a alergia pode persistir até os 4 ou 5 anos ou inclusive ser persistente e durar toda a vida. Os especialistas alertam que, em muitos casos, as alergias podem derivar em reações mais graves, chegando a ser mortal, algo que pode ocorrer após a exposição a uma substância que a criança seja alérgica. 

Mais uma vez a ciência tem conseguido permitir uma criança levar uma vida normal e aos pais viverem tranquilos, sem sobressaltos por uma possível reação anafilática, que pode colocar a vida do seu filho em perigo. 

Marisol Nuevo

Redatora de Guiainfantil.com

Guia alimentar para bebês com alergias

Guia alimentar para bebês com alergias

Os pais podem ajudar a prevenir as alergias alimentares.  Os pais devem ajudar a prevenir as alergias alimentares nos seus filhos, se esperarem para incluir certos alimentos na dieta dos pequenos e só os alimentarem com leite materno até o sexto mês de vida, aconselha um grupo de alergistas.

Dieta sem glúten para crianças e bebês celíacos

Dieta sem glúten para crianças e bebês celíacos

A dieta sem glúten deve iniciar-se depois de haver sido realizada uma biopsia intestinal e que se demonstre que existe, sem dúvida, a intolerância ao glúten. A dieta deve ser seguida estritamente durante toda a vida, eliminando qualquer produto que contenha glúten.

Como alimentar uma criança que está doente

Como alimentar uma criança que está doente

Quando as crianças estão doentinhas, ou seja, apresentam algum resfriado, tosse, febre, assim como võmitos ou diarréia, é muito normal que não queiram comer. No entanto, elas não podem deixar de comer, e por isso é importante saber com que alimentá-las segundo a doença que tenham.

40% da população mundial é alérgica. As crianças são as mais afetadas

40% da população mundial é alérgica. As crianças são as mais afetadas

As crianças são as mais afetadas pelas alergias. É cada vez mais frequente a incidência de intolerância e alergias entre as crianças. Alguns pais, mais precavidos, já informam sobre algum tipo de alergia que o filho sofra, seja na escola ou na casa de algum amiguinho.

Alergia à proteína do leite em crianças

Alergia à proteína do leite em crianças

Não é a mesma coisa que o leite cause algum mal ao seu filho do que o leite produza uma alergia alimentar. Convém distinguir ambas as coisas, porque os sintomas e as consequências são diferentes. A alergia pode levar até mesmo a uma asfixia e à morte.

0 comentarios