As crianças mais preguiçosas podem ser as mais inteligentes

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Parece um assunto um tanto polêmico. Será que as crianças mais inteligentes são as mais preguiçosas? Não. O que um grupo de cientistas quer demonstrar é que as crianças mais inteligentes necessitam descansar mais. Não são tão ativas. São um pouco mais lentas, reflexivas e necessitam dormir muito. A razão? Pensar cansa, e muito. 

As crianças mais inteligentes necessitam descansar mais

as-crianças-mais-preguiçosas-inteligentes A 

É certo que gênios existem de todo tipo: gênios acelerados e hiperativos e gênios reflexivos, tranqüilos e metódicos. Mas, um grupo de cientistas vem querendo desmistificar o mito de que uma criança preguiçosa seja pouco inteligente. Suas conclusões apontam para o contrário: as crianças mais inteligentes são tranqüilas, se concentram muito mais e necessitam de períodos mais longos de descanso. E o que no princípio poderia ser um sinal de preguiça, na realidade esconde uma grande virtude. 

O estudo feito por psicólogos americanos comprovou que as pessoas mais inteligentes (com um maior índice de quociente intelectual) necessitavam descansar mais. Tanto em questão de sono como de repouso, já que seria uma forma de renovar as energias. 

As pessoas mais inteligentes se concentram mais nos seus pensamentos. Por isso, também consomem mais energia, e necessitam de mais repouso para se auto-regular, já que durante o sono são geradas células que reforçam e protegem os circuitos cerebrais. 

Segundo esse estudo, as pessoas mais ativas, que necessitam de mais exercício e esporte apresentam um quociente intelectual um pouco mais baixo. Seu corpo necessita de um estímulo constante para não se aborrecer, daí que se trata de crianças que constantemente necessitam ‘queimar calorias’. 

É claro que dormir gera muitos benefícios para o corpo e a mente. Daí que é fundamental o descanso para as crianças.

No entanto, e apesar desse estudo, não se pode generalizar. Existem muitos outros estudos sobre a inteligência: alguns afirmam que as crianças mais inteligentes são as mais respondonas, aquelas que tendem a desafiar as normas... Outros estudos asseguram que as mais inteligentes são as que têm gênio difícil... E outros que são aquelas crianças mais graciosas e que têm o melhor senso de humor... Como a gente pode ver os estudos se contradizem. Talvez seja porque ainda não exista realmente ninguém capaz de medir a inteligência. Em todas essas máquinas de medir acaba escapando o mais importante: a inteligência emocional. E já se sabe que as emoções não entendem de medições. 

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com