E você, como trata o seu filho?

Vilma Medina
Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

A gente procura a melhor escola, a gente se preocupa com nosso filho coma bem, de forma equilibrada. A gente não esquece as suas revisões médicas nem das suas aulas de pintura, piano ou de judô

A gente se esforça para que tenham de tudo. A gente lê contos para eles e lhes compramos as melhores roupas. E, é claro, a gente insiste em que eles se vistam sozinhos, se penteiem, escovem os dentes, mas, no entanto a gente falha numa coisa: na forma de tratá-los. 

7 frases que destroem a autoestima do seu filho

e-você-como-trata-o-seu-filho A 

Com frequência a gente não cuida das palavras que mencionamos aos nossos filhos. E as palavras são tão importantes com qualquer ação. As palavras são tão importantes como um abraço, ou como um castigo. As palavras têm tanto peso que chegam diretamente ao coração. E, ainda que nosso filho seja pequeno, as palavras ficam ali gravadas. As palavras podem ser como um prego. Ainda que peçamos perdão, sempre ficará a marca, a cicatriz. 

O estresse, a pressa, o nervosismo... As causas podem ser centenas, mas, de vez em quando você não acaba dizendo essas coisas aos seus filhos? 

1.  'Você tem que fazer isso porque eu estou mandando e pronto’. 

2. 'Mais tarde, porque agora não tenho tempo’. 

3. 'Deixa de besteira, porque eu tenho coisas muito importantes para fazer’. 

4. ‘Vamos lá, você parece ridículo... '

5. 'Tá bom, tá bom, tá bom... Você me fala isso mais tarde’. 

6. 'Mas, vê se vai rápido porque você é muito lento’. 

7. 'Queeeeee, queeeeeee. Você é um chato!'.

Por que é tão importante tratar bem aos filhos

Da forma como você trata o seu filho no dia a dia vai depender muita coisa. Suas palavras, seus gestos ruins e sua indiferença em relação ao seu filho incidem diretamente sobre: 

- A confiança que o seu filho tem nos outros. 

- Sua autoestima. Evidentemente, será mais baixa. 

- Sua força. Seguramente será mais fraco. 

- Sua pouca capacidade para aceitar frustração.

- A inveja e ciúmes dos outros. 

- Os medos que ela tiver porque serão muitos. 

- Sempre estará preocupada do que os outros dizem. Ele se sentirá constantemente julgado.

- Desequilíbrio nas suas emoções

Evidentemente, perder a paciência em determinado momento é normal, e isso não nos faz ‘más mães ou pais’. Mas, se este tratamento é habitual a coisa muda de figura. Talvez a gente se preocupe muito com que nosso filho tenha de tudo e nos descuidamos do mais importante: o tratamento que damos a ele.

Estefanía Esteban

Redatora de GuiaInfantil.com