5 mitos dos lácteos para as crianças

Crenças que não são verdadeiras a respeito dos lácteos

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Em questão de alimentação, muitas vezes temos opiniões formadas sobre os produtos que consumimos. No entanto, existem alguns aspectos que nem sempre são verdadeiros e que é necessário saber, como é o caso dos lácteos.

A importância dos lácteos na alimentação

5-mitos-dos-lácteos-para-as-crianças A

É um fato que os lácteos são fundamentais em questões alimentares. Alguns dos seus benefícios são os que favorecem os ossos, que fazem com que o nosso organismo tenha uma fonte de cálcio natural e que também contribui com vitaminas.

Consumir lácteos contribui para que se possa evitar a osteoporose e também serve como arma contra doenças, que podem ser diminuídas e evitadas. O sistema imunológico, além disso, se vê fortalecido com o consumo dos lácteos. No entanto, nem tudo é verdadeiro na hora de comer produtos que sejam lácteos. 

Mitos em comer lácteos 

1. O leite é a única solução para os ossos: Ainda que seja evidente a importância, o consumo massivo de leite não previne que tenhamos sempre uns ossos saudáveis e fortes. De fato, para os intolerantes à lactose existem certos alimentos que dão o mesmo suporte que aqueles que bebem leite. 

2. O leite não engorda: Em pequenas quantidades, o leite é fundamental, mas se o consumirmos integral, tem certos níveis de gordura que podem levar ao sobrepeso se for consumido de forma exagerada.

3. Os intolerantes à lactose não podem tomar nenhum lácteo: Esta norma não é tão exclusiva, já que ainda que algumas pessoas que são intolerantes à lactose podem ingerir alguns lácteos, como aqueles que estão livres de lactose. 

4. O leite não hidrata: É um mito pensarmos que somente a água hidrate. O leite e frutas também ajudam na hidratação do corpo

5. Os lácteos evitam o câncer: Ainda que esteja claro que sejam alimentos bons para a saúde, não é correto afirmar que se forem ingeridos evitarão o câncer, ainda que levar uma alimentação sadia e equilibrada possa contribuir para uma vida sem doenças. 

Marta Marciel

Redatora de GuiaInfantil.com