Tipos de inteligência na infância

As crianças podem ter 8 tipos de inteligência distintas

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Você sabia que existe mais de um tipo de inteligência? Quando dizemos que uma criança é inteligente, a que nos referimos? Talvez pelas suas notas boas? Como ele resolve bem os problemas que lhes são apresentados? 

Todas essas perguntas que vão surgindo podem ser respondidas graças à teoria das inteligências que Howard Gardner propõe. 

A teoria das inteligências múltiplas de Howard Gardner

tipos-de-inteligência-na-infância A 

Essa teoria nos ajuda a entender e a respeitar as diferenças individuais de cada um. Ela se baseia na premissa de que todas as pessoas são diferentes. Não há ninguém igual a outro. E já é hora de aprender que todos nós temos os mesmos direitos. 

Quando falamos de direito à educação a gente se refere ao que chamamos de inclusão educativa, e essa não implica ter os mesmos processos para aprender. Cada um tem uma necessidade que vai evoluindo com o tempo. Portanto, há que levar em conta as diferentes inteligências para personalizar a educação. 

Segundo Howard Gardner, primeiro se definiam 7 tipos de inteligências, em seguida foram 8, e agora podemos falar de 8 inteligências e meia. 

Tipos de inteligência em crianças 

1 – Inteligência linguística: esse tipo de inteligência define aquelas pessoas que se dá bem: ao ler, falar, contar piadas, escrever contos, fazer diários, escrever poemas, aprender idiomas e brincar com jogos de palavras. 

Em resumo, são pessoas que têm uma habilidade especial para a comunicação

2 – Inteligência lógico-matemática: Sua capacidade de resolução de problemas é muito chamativa e pode se relacionar com um tipo de inteligência não verbal, ou seja, que uma criança pode saber a resposta a um determinado problema muito antes de tê-la verbalizado.   

São as pessoas que se dão bem: em resolver mistérios ou quebra-cabeças, realizar exercícios de lógica, contar ou fazer cálculos, organizar informação em tabelas, resolver questões matemáticas, brincar com jogos de estratégia, fazer estimações, memorizar números e estatísticas. 

3 – Inteligência visual-espacial: esse tipo de inteligência a gente poderia relacioná-la com a anterior, fazendo referência à capacidade de resolução de problemas espaciais, o que não devemos confundir com ter perspectiva visual. 

São aquelas pessoas que se dão bem: em desenhar, pintar, jogar videogames, fazer rabiscos, construir modelos 3 D, ler mapas, olhar ilusões ópticas, contemplar quadros ou pinturas, resolver labirintos, jogar jogos de construção.

4 – Inteligência musical: existem estudos que afirmam que existe uma universalidade no ser humano no que se refere à música e que existe uma habilidade inata para o aprendizado de diferentes sons, o que se veria traduzido anos posteriores em uma grande capacidade para cantar e cantarolar, escutar música, tocar instrumentos, compor canções, assistir a concertos, seguir ou marcar ritmos. 

5 – Inteligência sinestésico-corporal: esse tipo de inteligência também seria algo inato que alguns são capazes de desenvolvê-lo mais profundamente. 

São aquelas pessoas que se dá bem: em dançar, atuar, imitar gestos ou expressões, fazer esporte, correr, movimentar-se, pular, brincar com jogos de mímica, descobrir novos movimentos. 

6 – Inteligência intrapessoal: são aquelas pessoas que se dão bem: trabalhar de maneira autônoma, refletir e pensar no futuro, estabelecer metas e como alcançá-las, conhecer-se melhor a si mesmos, compreender seus sentimentos, saber seus pontos fortes e fracos. 

7 – Inteligência interpessoal: esse tipo de inteligência seria contrária à tratada anteriormente, a intrapessoal. São aquelas que se dão bem: em conversar, trabalhar em equipe, ajudar aos outros, entender outras perspectivas, estar com os amigos, mediar conflitos, conhecer gente nova. 

8 – Inteligência naturalista: o autor da teoria de inteligências múltiplas apresentava sua própria teoria sobre esse tipo de inteligência fazendo referência às necessidades básicas de outrora em que o ser humano tinha que diferenciar as plantas para poder comer, os diferentes animais, etc. A observação e a inteligência naturalista era algo fundamental para a sobrevivência do que um ser humano não podia carecer.

São aquelas pessoas que se dão bem: sair ao campo, ir para um acampamento, fazer montanhismo, cuidar de animais, conhecer detalhes da natureza, reciclar, cuidar do meio ambiente

Uma inteligência a mais na infância 

- Existencial: apresentamos essa inteligência como meia, porque está começando a ser pesquisada agora e não existem provas suficientes que demonstrem que reúne todas as condições para que se considere uma a mais. São aquelas pessoas que se dão bem: pensar em sobre questões transcendentais, conhecer outras religiões, se fazer perguntas sobre o universo, averiguar por que acontecem as coisas, entender os atos humanos.  

Cada pessoa tem todas e cada uma dessas inteligências, ainda que se desenvolvam de maneira diferente em uns e outros. É esse perfil de inteligência que nos faz diferente. 

Borja Quicios

Psicólogo educativo