Ser pai nem sempre é fácil ou agradável

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Dizem muitos que estamos diante de uma geração de crianças mimadas, crianças ciumentas, crianças tiranas, crianças agressivas, crianças que não obedecem, crianças que não estudam, etc. Isso é verdade? 

Muitas vezes eu me pergunto se estamos preparados para sermos pais, se damos aos nossos filhos o que realmente necessitam ou lhes damos somente o que nos dá tempo ou o que sabemos. Fazemos o que podemos, mas isso é o bastante? 

As dificuldades de ser pai

ser-pai-nem-sempre-é-fácil-ou-agradável A

Sem dúvida, os filhos são um valioso tesouro. Hoje, mais do que nunca somos conscientes disso. Nunca antes as crianças têm sido tão valorizadas socialmente e tão amadas, e, no entanto, as crianças em ocasiões parecem não cumprir o mínimo das nossas expectativas. As crianças têm direito a ter alguém que se ocupe da sua educação e têm a liberdade que lhes presenteiam pelas suas boas condutas. Demasiada permissividade ou pela falta de limites, orientação ou dedicação são um péssimo legado para o seu futuro.

Eu não quero colocar todos os pais no ‘mesmo saco’, mas talvez estejamos criando mal aos nossos filhos quando não sabemos delimitar o terreno, quando abandonamos a educação dos nossos filhos em mãos de terceiros: professores, babás, ou quando os louvamos demasiadamente. 

Quantas vezes a gente se queixa de que nosso filho faz isso ou deixa de fazê-lo! Seguramente na mente de todos os que vão se tornar pais pensam em fazê-lo o melhor possível, em ser um bom pai. Mas, será que realmente sabemos o que é um bom pai? Não falo de perfeição, apenas que busquemos a excelência na nossa paternidade (ninguém consegue dar o que não tem). Tenho certeza que isso é bom: querer ser pai e exercê-lo como tal. 

Os pais devem fazer de tudo o que se deve fazer. Haverá erros e dificuldades pelo caminho, mas ninguém que está no caminho da paternidade fica sem tropeçar em vários momentos. Não podemos exigir dos nossos filhos o que não lhes damos. Sejamos generosos e demos a eles todo o melhor de nossa herança. Se pretendermos colher dos nossos filhos respeito, responsabilidade, carinho e exemplo, nós teremos que ter semeado previamente neles esses valores. Se a terna arvorezinha se desvia do seu caminho e se dobra, muitas vezes é porque não temos posto nela os alicerces necessários e o vento e as tempestades podem destruí-la.

Como seria bom um livro de instruções! Ser pai nem sempre é fácil ou agradável, e ainda que existam momentos únicos e maravilhosos, também há momentos que nos sentimos tentados a ‘jogar a toalha’. Bom pai é como o personagem de Rocky Balboa, que mesmo em meio a tantos golpes consegue se erguer e vencer. Para isso será necessário dedicação, em quantidade e qualidade, e fazer com que no nosso plano de vida o nosso filho tenha um lugar privilegiado. Ninguém disse que educar é fácil, mas o importante é a troca diária com nossos filhos. Algo muito importante é que a gente aprende muito com eles também. Não é uma rua de mão única. 

Patro Gabaldón

Redatora de GuiaInfantil.com