Telefonemas da escola: o que será que aconteceu com o meu filho?

Vilma Medina Vilma Medina Diretora de Guiainfantil.com

Que susto as mães leva quando as chamam na escola! Em décimos de segundos passa tanta coisa na cabeça: uma queda, uma simples ferida, um ferimento grave, uma torção ou um pequeno corte. Até que do outro lado do telefone a gente escuta que tudo está bem com o nosso filho e que, apesar dos pesares, a criança está bem e a gente se tranquiliza um pouco. 

É como diz aquela frase muito conhecida: ‘Ser mãe é padecer no paraíso’. Evidentemente não podemos colocar nossos filhos numa bolha, ainda mais se eles forem muito inquietos, curiosos e gostam de experimentar novas aventuras. Como com quase todas as crianças o normal é que sofram acidentes de vez em quando. 

Feridas e acidentes da criança na escola

telefonemas-da-escola-filho A

A maioria das suas travessuras acaba em lesões leves. A gente costuma dizer que a maioria das crianças tem um anjo da guarda que cuida delas, pela sua segurança, pela sua integridade e sua saúde, mas, às vezes, a má sorte joga contra os nossos filhos e eles têm que levar pontos ou colocar gesso. Nesses casos, a gente tem que agir com rapidez porque o tempo corre contra. 

Se a ferida foi muito profunda para necessitar uma sutura, você deve saber que não se pode atrasar a assistência médica, já que o prazo para que se possam aplicar pontos de sutura numa ferida é de no máximo de 4 a 6 horas. 

Após a passagem pela enfermaria da escola, com certeza o seu filho já está com a ferida limpa, a hemorragia já tenha sido estancada e a região já está coberta por uma gaze estéril. 

Ao chegar à escola procure tranquilizar o seu filho comentando-lhe com naturalidade que são coisas da vida. Se tiver que levá-lo ao hospital para levar pontos, não esconda totalmente a verdade dele. Sua maior preocupação nesse momento será se vai doer, e é lógico, pois ele acaba de passar por um momento delicado ao ver o sangue na sua ferida e ainda se encontra emocionado e muito sensibilizado. É melhor dizer-lhe que pode ser que incomode um pouco, do que dizer que não vai sentir nada, porque uma vez sobre a maca do hospital o seu filho pode montar um escândalo ao se sentir enganado. 

Na prática, é possível que tenha que aplicar um pouco de anestesia local nas bordas da ferida para evitar que a sutura doa muito e depois convém que escute com atenção as recomendações do médico sobre os cuidados que deve seguir para que a ferida sare e não surjam complicações. Uma vez em casa, e melhor ainda no dia seguinte, convém falar com ele sobre o ocorrido para evitar que se repita. 

As atitudes de prudência e observação são importantes para estar prevenido diante de qualquer eventual acidente. A maior parte dos acidentes com crianças podem ser prevenidos quando se evitam os riscos. Advertir-lhes é uma das poucas coisas que os pais podem fazer para minimizar os sustos que os nossos pequenos podem nos dar. 

Marisol Nuevo