A importância de promover o vínculo com o bebê

O vínculo afetivo e o apego entre a mãe e o bebê

Vilma Medina

Vilma Medina

Em todo o reino animal são os laços afetivos e táteis entre mães e filhos os que asseguram as boas interações e um correto desenvolvimento futuro. Esse momento crítico de vinculação sucede ao momento do parto ou minutos e inclusive horas depois dele. Se a mãe permanece separada da sua cria durante esse momento é frequente que quando o volte a ver, esta o rejeite. 

Em estudos similares, mas com humanos acontece algo muito parecido, salvo na peculiaridade de que esse momento crítico é muito mais flexível e pode permanecer meses e inclusive anos depois do parto. Além do vínculo ou da união se fala também de apego, que é um tipo de vinculação muito mais emotiva. 

O vínculo entre a mãe e o bebê

a-importância-de-promover-o-vínculo-bebê A

Os reconhecidos pediatras Klaus e Kennell citam os abraços, beijos e olhares como indicadores básicos para a criação do vínculo entre mães e filhos. Até tal ponto que naqueles casos em que houve um amplo e precoce contato entre mãe e o seu bebê, os resultados têm sido muito positivos.

As mães que conseguiram criar esse vínculo a poucas horas do nascimento eram muito mais próximas dos seus filhos, tinham menos problemas de amamentação e tocavam os pequenos com muito mais frequência. Por outro lado, as crianças apresentavam um cociente de inteligência bastante alto na idade de três anos, do que aquelas que haviam sido separadas de suas mães. 

Além do mais, para um bebê essa primeira relação de apego tem uma grande importância porque pode ser o modelo mais significativo para as relações que estabelecerá no futuro. A forma com que cada pessoa aprende a ser tem a sua origem nas experiências precoces que temos com nossas mães ou com quem tenha cuidado da gente nos primeiros dias das nossas vidas. 

A preocupação pela relação precoce do bebê com sua mãe foi um dos temas centrais de muitos pesquisadores na década de 40 e 60. Os primeiros trabalhos nesta linha foram realizados por René Spitz. Spitz conclui que as crianças criadas em orfanatos entravam num período em que predominava um estado tranquilo e se tornavam muito demandantes de atenção

Posteriormente entravam num período onde se tornavam passivos e taciturnos para entrar no último período onde se negavam a comer e muitos morriam. Esses bebês se negavam a viver denunciando que algo faltava para o seu bem estar social, o que falta era a mãe, mas não somente a mãe física, mas também o âmbito familiar que o cuidado maternal contribui. 

Os atos de carregar ao bebê, cantar-lhe uma cantiga de ninar, olhá-lo, beijá-lo, alimentá-lo ou niná-lo são todas experiências de vinculação. Os especialistas acreditam, portanto que para gerar este apego há que incentivar esse contato positivo com o bebê, já que esses atos causam respostas no cérebro do bebê e incidem diretamente no desenvolvimento emocional, social, fisiológico ou de comportamento da criança para toda a sua vida.

Marta Veguillas Ocaña

Pedagoga

A comunicação e o vínculo do papai com o seu bebê

A comunicação e o vínculo do papai com o seu bebê

Estou convencida de que a linguagem que os pais têm com os bebês não é a mesma que as mamães têm com seus pequenos. É como se falassem outro idioma entre eles. O vínculo da mãe com o seu filho é criado com o pequeno ainda quando está no seu ventre. O vínculo que o pai estabelece com seu filho é mais tardio. Nem sempre se consegue quando o bebê nasce. Existem pais que demoram meses para se conectar completamente com seu filho.

Como a família desunida influencia no futuro emocional do bebê

Como a família desunida influencia no futuro emocional do bebê

‘Diga-me em que família você foi criado... E te direi como gerencia suas emoções’. É o que vem a dizer um estudo feito na Finlândia com quase uma centena de bebês. O objetivo desse estudo era determinar como reagem às emoções, as crianças, dependendo da família em que foram criadas no seu primeiro ano de vida.

O melhor momento do dia com o meu bebê

O melhor momento do dia com o meu bebê

Eu já não posso carregar minha filha nos braços, nem dar-lhe mamadeira, e tão pouco dar-lhe banho como eu o fazia quando ela era um bebezinho lindo. Os anos passam, mas ainda eu me lembro como se fosse ontem, da sensação reconfortante que eu sentia ao niná-la nos meus braços e envolvê-la com o calor do meu peito.

A importância de ler para o bebê durante a gravidez

A importância de ler para o bebê durante a gravidez

O bebê é capaz de sentir tantas coisas antes de nascer, e por isso os especialistas recomendam falar ao bebê durante a gravidez, acariciar a barriga com abraços e carícias, colocar uma música relaxante e inclusive ler alguns contos quando ainda está na barriga. Descubra a importância de ler para o bebê durante a gravidez.

Mulheres que se sentem tristes após o parto. É normal?

Mulheres que se sentem tristes após o parto. É normal?

Após o parto é bastante frequente experimentar um sentimento de tristeza. Toda mãe imagina que a ‘flecha amorosa’ estaria assegurada e o amor surgiria no primeiro instante entre ela e seu bebê, mas pelo contrário, muitas vezes ela se sente desnorteada diante de um bebê insociável e chorão. Isso é normal?

0 comentarios