Por que existem crianças que necessitam de mais carinho do que outras

Nem todas as crianças expressam suas necessidades afetivas

Vilma Medina

Vilma Medina

Existem crianças que aparentemente parecem necessitar menos carinho que outras, mas o que realmente acontece não é que elas necessitem menos. Unicamente é que demonstram de maneira diferente e necessitam de carinho por outros caminhos. 

Com isso eu venho me referir que existem crianças que talvez gostem mais de beijos, outras de abraços, outras de reconhecimento, outras de tudo junto. Mas, em nenhum caso uma criança não necessite de carinho porque  todas necessitam do amor dos seus pais para poder crescer e se desenvolver equilibradamente e poder assim se converter num adulto com êxito. 

A saúde emocional no desenvolvimento das crianças

por-que-existem-crianças-que-necessitam-carinho A

Se as crianças não obtêm o carinho que necessitam quando são pequenas dentro do seu núcleo familiar, ao crescer terão carências emocionais que não as deixarão se desenvolver de forma adequada. 

O carinho e o afeto são sentimentos essenciais para o ser humano e, sobretudo para as crianças porque se não tiverem afeto podem adoecer física e emocionalmente. Além disso, as crianças que não recebem (ou que os pais pensem que não necessitem) o afeto necessário, isso as levará a uma imaturidade no seu desenvolvimento, demorará em se relacionar com os outros na sua vida adulta, terá uma falta de adaptação social e inclusive nos casos mais graves pode levar à delinquência ou a transtornos da personalidade. 

Por outro lado, a criança que recebe afeto será uma criança com menos estresse, menos ansiedade e com maior equilíbrio emocional. O carinho é uma forma de demonstração de amor que sai de forma inata entre pais e filhos e não é necessário dinheiro, nem de conhecimentos... Unicamente só é necessário querer fazê-lo e, sobretudo tempo. 

O melhor presente para as crianças: tempo e qualidade 

Às vezes nessas crianças parecem ‘menos apegadas’ aos seus pais (insisto que todas as crianças necessitam de carinho, seja de uma forma ou de outra) necessitam (da mesma forma que outras crianças) uma forma de afeto que atualmente os pais devem buscar a forma de fornecer em suas atribuladas vidas: o tão precioso tempo de qualidade

O tempo é imprescindível para que uma criança se sinta querida pelos seus pais, mas esse tempo terá que ser de qualidade e sentir que em casa não tem apenas aos seus progenitores, mas também suas figuras adultas de referência que se preocupam pelo seu bem estar físico, mas também emocional. 

Quando a criança começa a crescer necessitará também que seus pais a escutem, respeitem e lhes ajudem a tomar suas próprias decisões, e para isso é preciso novamente de tempo de qualidade. 

Depois de tudo isso, quero concluir que não é que o seu filho não necessite de afeto. Simplesmente o necessita diferente dos outros. Busque a maneira de conectar com o seu filho e você estará criança a uma criança emocionalmente saudável. 

María José Roldán

Mestre em Educação Especial (Pedagogia Terapêutica)

Psicopedagoga

O desenvolvimento afetivo no primeiro ano do bebê

O desenvolvimento afetivo no primeiro ano do bebê

Todos os especialistas concordam que os intercâmbios afetivos do bebê com a sua mãe são fundamentais para seu bom desenvolvimento. O bebê se rege, desde o momento do seu nascimento, pelo princípio do prazer.

A falta de carinho atrasa o crescimento das crianças

A falta de carinho atrasa o crescimento das crianças

A carência afetiva não somente atrasa o crescimento das crianças, como também aumenta suas possibilidades de desenvolver frequentes infecções porque seus mecanismos de defesa não funcionam como deveriam.

Ninguém nem nada substituem o pai e a mãe

Ninguém nem nada substituem o pai e a mãe

Quando o bebê chora no berço durante as noites, não é porque deseja chatear ou interromper o sono dos pais. Seja qual for o motivo, fome, medo ou doença, o bebê chora porque essa é a sua forma de reclamar a presença do seu papai ou mamãe. Esse vínculo é eterno.

Aprender a abraçar. O poder do abraço de um bebê

Aprender a abraçar. O poder do abraço de um bebê

O valor do abraço. Quanto bem nos pode fazer um abraço! Os abraços nos levantam o ânimo, nos faz sorrir, sentirmos melhor, queridos, compreendidos, apoiados... Se, além disso, é o nosso bebê que nos abraça pela primeira vez, a sensação é de plena felicidade.

A educação aumenta a felicidade das crianças

A educação aumenta a felicidade das crianças

Todos os pais se preocupam com a felicidade dos seus filhos e acredito que os pais são os mais implicados na hora de gerar este sentimento positivo nos filhos através da educação. A educação e o afeto que lhes damos a cada dia.

0 comentarios