Sintomas de uma má adaptação do bebê à creche

Quando o bebê não quer estar na escola infantil

Vilma Medina

Vilma Medina

Quando as crianças começam a ir à escola infantil ou à creche pela primeira vez, geralmente são dias complicados. Para muitos deles pode significar num grande trauma devido a todas as mudanças que acontecem na sua vida. 

Ainda são muito pequenos e não estão preparados para enfrentar a separação do lado dos seus pais. Essa é uma situação emocional que lhes provoca sentimentos de medo e ansiedade. Atitudes como se negar a ir à creche, chorar ou chutar são reações de ansiedade muito comuns durante o período de adaptação

Como saber se o bebê não se adapta à creche

sintomas-de-uma-má-adaptação-do-bebê-à-creche A

Durante os primeiros dias é normal que a criança tenha reações de ansiedade. Inclusive os pais se sentem culpados quando deixam ao seu filho chorando já que pensam que estão lhe abandonando. 

A ansiedade que se produz nas crianças é normal. Por serem tão pequenos não têm uma percepção clara de tempo, por isso quando os pais se separam da criança, ela pensa que essa separação será para sempre, o que provoca muita angústia. O problema vem quando a criança não supera esse medo, nem essa ansiedade. Não se acostuma às mudanças mesmo no período de adaptação. Existem crianças cuja adaptação custa mais e a outras não são nunca efetivas. 

Existem condutas que podem nos mostrar a existência de problemas na adaptação: 

- A criança se mostra excessivamente dependente dos seus pais. É normal que os primeiros dias a criança se apegue mais ao seu acompanhante. O problema vem quando essa dependência excessiva não diminui com o tempo. 

- A criança mostra retrocessos no seu desenvolvimento. Ela volta a fazer xixi na cama, quer a chupeta ou chupa o polegar, entre outros. Esses são retrocessos eventuais que podem ser sintomas de uma má adaptação quando se mantêm semanas depois e, inclusive se intensificam. Algo muito significativo é que comece a comer mal ou volte a pedir a mamadeira. 

- Mudanças de comportamento. Ela fica mais triste, calada, chora com facilidade durante o dia todo, não brinca, mostra-se apática, além disso, contesta, desobedece continuamente... Ela está querendo nos dizer algo. 

- Problemas de sono. Requer a sua presença para poder fazê-lo, demora em dormir e se desperta com frequência durante a noite. Não consegue assimilar as experiências vividas durante o dia. 

Quando a criança mostra várias dessas condutas é conveniente analisar a situação e depois buscar soluções entre todos. Pais e a escola. 

Como favorecer a boa adaptação do bebê à creche 

Este período é algo difícil para as crianças. Por isso e para que o problema não se agrave, os pais podem favorecer a criança nessa etapa seguindo alguns conselhos. Que possamos colocá-los em prática dependerá das normas do centro educacional onde levemos nosso filho. Muitas escolas são muito rígidas em suas normas na hora de fazer a adaptação e outras mais flexíveis. 

- Nos primeiros dias podem compartilhar o espaço da aula com eles. 

- Ir pouco a pouco. Cada dia passar mais tempo, aumentando o horário ao ritmo da criança levando em conta que cada criança tem suas próprias necessidades. 

- Que exista um trabalho entre família e escola. 

- Nos mostrarmos otimistas e seguros diante da criança sobre sua incorporação à escola infantil

- Que a criança seja participante da situação. Dar-lhe tarefas e rotinas como escolher a roupa, prepara a mochila, etc. 

- Estabelecer uma relação de confiança com o educador da criança para poder compartilhar com ele inquietações e perguntas. 

Borja Quicios

Psicólogo educativo

Quando devo levar meu filho à creche?

Quando devo levar meu filho à creche?

Levar o bebê à creche? Devem considerar as seguintes situações: a família, a disponibilidade de horários, o estado da criança. Mas, em geral, recomenda-se que leve a criança à creche quando são capazes de andar, de dizer algumas palavrinhas, e quando se encontrem em condições de adaptar-se às novas situações.

Tomara que o meu filho não fique doente na creche

Tomara que o meu filho não fique doente na creche

Muitas mães nos confessam que já estão cansadas, que quando levam o seu filho à escola ou creche, eles começam a ter catarros, resfriados e gripe. E acabam se contagiando com toda sorte de vírus possíveis.

Como preparar o bebê para ir à escola infantil

Como preparar o bebê para ir à escola infantil

Ainda que o bebê passe seus 18 meses de vida no seio da família, e não na escola infantil, nem sempre se pode deixar o bebê em casa, devido a que a família deve viver de acordo com as suas circunstâncias. No entanto, de acordo com a idade e a evolução do bebê podemos estabelecer momentos mais favoráveis que outros para levar pela primeira vez o bebê à escola infantil.

7 erros dos pais nos primeiros dias de escola

7 erros dos pais nos primeiros dias de escola

O primeiro dia na escola infantil ou no colégio é um momento muito importante para pais e para as crianças. Implica numa mudança enorme para os bebês ou aos pequeninos da casa que até esse momento têm estado em um meio conhecido. Da noite para o dia eles terão que enfrentar adultos desconhecidos, outras crianças, outras rotinas, outros lugares.

O momento ideal de levar o bebê à escola infantil ou a creche

O momento ideal de levar o bebê à escola infantil ou a creche

Qual é o momento ideal para deixar o seu bebê na escola, creche para que possa, depois de período de baixa por maternidade, voltar ao trabalho: Aos dois anos é muito cedo? Com que idade é recomendável levar pela primeira vez a criança à creche? Essa é a grande preocupação de muitas mães que se perguntam se é conveniente deixar o seu bebê na creche antes dos dois anos. Por motivo de trabalho, e em outros, por facilitar às crianças uma melhor adaptação à escola, o início da creche é cheia de dúvidas.

Quando e por que deveríamos tirar o bebê da creche

Quando e por que deveríamos tirar o bebê da creche

Quando as crianças vão à escola infantil os primeiros dias a gente fica surpreso em ver os pequenos encantados em passar o dia brincando com seus novos amiguinhos. Mas, também podemos encontrar o outro lado da moeda: a criança fica ansiosa e custa em se adaptar ao novo ambiente.

0 comentarios