Meu bebê só quer estar nos meus braços

Vilma Medina

Vilma Medina

Todas as mamães sabem da importância de pegar nossos filhos nos nossos braços e que mantenham um contato físico com eles para se sentirem protegidos. Para todo bebê, a sua mamãe é a solução para todos os seus males, mas pode acontecer que o nosso filho se acostume a ficar grudado o tempo todo na gente. Quando é razoável que a gente o pegue nos braços? 

Existem bebês que são, por natureza, mais demandantes que outros. Muitas vezes choram, não para satisfazer suas necessidades fisiológicas, mas devido à solidão ou sensação de insegurança. Muitas mães têm que ficar carregando os filhos enquanto tiram o pó da casa, almoçam ou estão fazendo xixi. Quando nos perde de vista o bebê berra porque não quer estar sozinho e nos limita enormemente a possibilidade de realizar outras tarefas.

Braços da mamãe ou dependência do bebê

meu-bebê-só-quer-estar-nos-meus-braços A

A princípio, todos nós podemos entender essas exigências. Essa dependência é normal, mas segundo vão crescendo devem aprender a se adaptar ao mundo: seu berço, estímulos externos, a presença de outras pessoas, etc. Para isso os pais devem agir com paciência diante da situação.

Nosso filho deve se acostumar pouco a pouco para que se sinta seguro fora dos nossos braços. Podemos começar colocando-o numa cadeirinha de balanço e levá-los sempre perto da gente enquanto caminhamos pela casa e estivermos realizando nossos afazeres, e sem cair na tentação de pegarmos no colo diante da mínima queixa (sei que quase sempre o choro de um bebê nos desconcerta e nos comove). Não devemos deixar-lhes fazer uma birra com a nossa indiferença, mas sim ajudar-lhes para que aprendam a esperar um pouco antes de conseguir o desejado. 

Também podemos oferecer-lhes entretenimentos: um brinquedo, um pedacinho de pão, um bichinho de pelúcia, de maneira que possam aprender a se relaxar e a não estar constantemente dependente da gente. O resultado dependerá em boa parte da personalidade do bebê, mas temos que levar em conta que os hábitos e costumes também se aprendem.

O bebê tem que começar a explorar, brincar, distrair-se e começar a ser mais independente, ainda que os abraços e carinhos continuem a ser muito importantes para o seu bom desenvolvimento. A questão é dar-lhes o necessário, ceder à sua demanda dos braços quando acontecer uma situação de insegurança ou quando for razoável. O bebê deveria suportar progressivamente que a gente não possa atender às suas demandas em todo o momento. 

Patro Gabaldón

Redatora de GuiaInfantil.com

As primeiras 24 horas de uma mãe com o seu bebê

As primeiras 24 horas de uma mãe com o seu bebê

Primer dia do bebê recém nascido com a mãe. De repente você o vê. Depois de nove meses de espera, de medos e incertezas, de sensações que jamais tinha vivido e finalmente você o tem nos seus braços. Você já é mamãe! Sua primeira vez como todas as primeiras vezes, te faz chorar e se emocionar.

Síndrome da criança invisível

Síndrome da criança invisível

Isolada, distante, irritada, fantasiosa e retraída. Esses são alguns sintomas da ‘Criança invisível’, um transtorno na conduta da criança que não se sente valorizada e querida por outras pessoas que a rodeia e demanda dessa forma mais atenção.

Aprender a abraçar. O poder do abraço de um bebê

Aprender a abraçar. O poder do abraço de um bebê

O valor do abraço. Quanto bem nos pode fazer um abraço! Os abraços nos levantam o ânimo, nos faz sorrir, sentirmos melhor, queridos, compreendidos, apoiados... Se, além disso, é o nosso bebê que nos abraça pela primeira vez, a sensação é de plena felicidade.

Quando o bebê não quer ficar no carrinho de passeio

Quando o bebê não quer ficar no carrinho de passeio

Existem bebês tranquilos, mas outros que não gostam nada do carrinho de passeio, tão pouco da cadeirinha do carro, nem da cadeirinha da papinha ou da rede. Logo começam a chorar para que o papai ou mamãe lhe peguem nos braços.

0 comentarios