Crianças sem valores e limites

Criança sem disciplina e sem valores não é feliz

Na era moderna, é comum vermos crianças sendo levadas a exercerem papéis e hábitos que nem seu corpo nem sua mente estão preparados. Outro dia em uma emissora de televisão foi exibida uma reportagem sobre o beijo, mostrando que crianças a partir dos 5 anos já iniciam o primeiro beijo na boca.

É claro que nessa idade sequer elas compreendem o significado do beijo, mas essa realidade gera preocupação. Até que ponto, reportagens como essa ajudam a criança? O beijo é o início de uma relação sexual. Quando se trata de descobertas da criança, deve-se levar com naturalidade, mas aconselhá-las.

Filhos sem limites, futuros adultos frustados

Crianças sem limites e sem disciplina

Não adianta fecharmos os olhos para uma realidade que está patente aos olhos de todos: o homem tem perdido sua identidade, seus valores, e muitos pais se conformam dizendo: “temos que acompanhar as mudanças do mundo moderno”. A conformidade é traço de quem diz: “não tem jeito mesmo, melhor me adaptar”. Mas tem jeito sim.

Princípios que recebemos dos nossos pais, devem se estender pelas futuras gerações. Valores como obediência, honra aos pais, disciplina, respeito, devem ser mantidos. É mais fácil ser levado pela maré, do que nadar contra ela. Que tipo de herança estamos deixando para nossos filhos?

Crianças que crescem sem limites, serão adolescentes extremamente problemáticos. E adultos frustrados e sem caráter.

Criar um fiho já não é fácil, mas educá-lo é muito mais desafiador. Isso irá requerer dos pais, não apenas conselhos, mas exemplos de vida no dia-a-dia, dedicação para aconselhamento, para diálogos, para ensiná-los sobre sexualidade, respeito, amizade, e isso requer tempo, o que parece que os pais atualmente não dispõem. Devido a isso, e outros fatores, a depressão infantil, é cada vez mais comum.

Com a entrada da mulher no mercado de trabalho, grande parte das nossas crianças são criadas por babás, avós, e isso faz com que os pais, para compensarem sua falta na vida diária da criança, fazem todas as suas vontades e compram tudo o que podem para elas.

Outro fator que tem influenciado as crianças a hábitos e costumes degenerados são as novelas, voltados ao público adolescentes, onde estes passam de mão em mão com a maior naturalidade, e termos como “ficar”, “BV” (boca virgem), “BVL” (boca virgem de língua), são linguagens que crianças começam a ouvir desde cedo e quando estão na pré-adolescência querem exercer atitudes de adultos, sem estarem preparados.

Os meios de comunicação e as crianças

A internet, através de sites de relacionamentos que viraram febre, também tem todo tipo de categorias que as crianças ficam expostas se quiserem entrar. E isso tudo sem o conhecimento dos pais.

Em um Shopping de uma cidade do interior da Bahia, por exemplo, já existem, segundo a delegada da infância, pontos de prostituição infantil, gangues de crianças a partir dos 9 anos. E os pais dizendo-se modernos, deixam seus filhos nesses lugares sem a mínima preocupação. Meninos de 10 anos no estacionamento do Shopping bebem vodka pura.

Segundo essa delegada, que tem três filhos, entre 8 e 14 anos, o termo “mico” está na boca de todo adolescente. E aconselha: “Meus filhos podem falar que é mico, king kong, orangotango, ou o que seja. Só vão ao Shopping sob minha vigilância, e quando vão a alguma festinha que pedem que deixem os filhos na porta da residência, não permitindo a entrada dos pais,  só as crianças, eu entro, vejo o ambiente, e se os pais do aniversariante estão presentes. Só depois disso tudo é que deixo meus filhos com tranquilidade.

Com a falta de tempo dos pais, os filhos iniciam desde cedo inversão de valores, e aprendem, o que deveria ser aprendido dos pais, com os coleguinhas mais “descolados”, mais espertos, ou com pedófilos que encontram em sites de relacionamentos. Está mais que na hora de nós, pais, despertarmos para uma dura realidade. Ou retomamos a educação dos nossos filhos, ou em breve os perderemos para as drogas e a prostituição.

  • Como educar crianças mentirosas
    Como educar crianças mentirosas

    Crianças e mentiras podem ir de mãos dadas em determinadas etapas do seu desenvolvimento. É normal que tanto meninos como meninas falem mentiras. No entanto, também é certo que ninguém gosta de ver seus filhos mentindo.

    • Conselhos para ajudar as crianças indecisas
      Conselhos para ajudar as crianças indecisas

      São muitas as crianças que quando devem tomar uma decisão diária simples, como, por exemplo, escolher a cor da camiseta para vestir pela manhã, pode tornar tudo em um dilema. Se o seu filho é uma criança muito indecisa, a gente dá algumas dicas para você ajudá-lo.

    • As mentiras que os pais contam aos seus filhos
      As mentiras que os pais contam aos seus filhos

      Mentimos quando o nosso filho desenha mal e a gente diz que está lindo. Mentimos quando o cabeleireiro faz alguma trapalhada e a gente continua dizendo que o cabelo está lindo. A gente mente e sabe disso. Mas, quem não o faria?

32 comentários

  • o
    omar vieira

    31/01/2013 18:32

    olá gente eu tento,ser um filho melhor pra minha,mãeme,escondo,chuto ela mas o que eu posso fazer

    Avaliar
    Responder
  • t
    tatiana

    12/11/2012 20:43

    gostaria muito de orientação.

    minha irmã tem 12 anos, foi criada pela minha mãe em uma cidade do interior, sem limites.
    minha mãe já tinha 44 anos quando a adotou, e durante toda a infancia foi permissiva e omissa. agia como uma avó e não como uma mãe.
    hj temos uma adolescente sem caráter, e sem respeito por ninguém.
    ela tem o hábito de mentir, enganar, roubar, beija vários rapazes, não respeita minha mãe nem eu nem ninguém.
    minha mãe vive num processo de negação, prefere defender a mennina em tudo de errado que ela faz. enfrenta tudo e todos pela menina e não concegue enchergar e aceitar o mal que tem feito a ela.
    eu tento confrontá-la. mostrar as consequencias das atitudes que ela vem tomando. mas ela diz que eu quero tratar a menina com muita severidae, que eu sou radical demais enfim a vilã da história sou eu que tento alertá-la.
    indiscutivelmente minha mãe precisa de ajuda, tanto minha quanto psicológica. como faço pra convencê-la a encarar os fatos e procurar ajuda?
    desde já muito obrigadda pos este espaço.

    Avaliar
    Responder
  • a
    ana claudia

    24/10/2012 13:51

    Gostei muito do texto , estou vivendo uma situação com o meu filho de cinco anos na escola que está me deixando bastante preocupada ele não fica em sala de aula só quer brincar e ainda está agressivo com a professora e os demais da escola diz que a escola é chata e está com ficção em ônibus , antes era um trem chamada thomas o que faço comecei a leva- ló ao psicologo mais ela diz que não tem terapia para essa idade , agradeço a atenção um abraço.

    Avaliar
    Responder
  • a
    ana clara

    06/10/2012 08:51

    olha eu sou uma criança e brigo muito com minha mae e acho q devo mudar e vou mudar nao se mmuda do dia para a noite respondo i e isso vou parar e penssar bem antes de falar ou faser a coisa errada

    Avaliar
    Responder
  • v
    vilma

    28/08/2012 08:25

    minha filha tem seis anos e eu fui chamada na escola porque a supervisora pegou ela e a colequinha beijando e se acariciando no banheiro sera que devo procurar um psicologo ou isso nessa idade e normal

    Avaliar
    Responder
  • R
    Rishabh

    05/08/2012 16:54

    Mas afinal , o que e9 beabgom? Algue9m anda por aed com um detector de bobagens ativado? Ele mede tambe9m o nedvel da beabgom? Bobagem para quem? Onde? Ainda bem que eu posso falar bobagens, ne3o falar, falar muito, mudar de ide9ia, sf3 assim he1 condie7f5es para o die1logo, para a evolue7e3o e para se chegar ao bem comum.Quando eu era adolescente e meus irme3os eram criane7as, a minha me3e usava de sua sabedoria para lidar com as nossas bobagens . Para mim , em um dado momento, brigar com o namorado era algo muito se9rio, para o meu irme3o a bicicleta furar o pneu era muito grave, e para o outro, os carrinhos quebrarem era um probleme3o. A minha me3e ouvia com o mesmo respeito e seriedade as treas coisas, que poderiam ser consideradas bobagens por ela, diante de sua experieancia de vida. Com isso, nos sentedamos respeitados e confiantes de que qualquer coisa que tive9ssemos a dizer ela teria ouvidos para nos escutar e assim, fomos crescendo, seguros, confiantes.Este exemplo dome9stico, se aplica a muitos contextos. Ne3o e9?Sigo com a certeza de que qualquer beabgom pode ser uma grande solue7e3o, depende de quem ouve e de como ouve.

    Avaliar
    Responder
  • k
    keila

    28/07/2012 21:17

    texto sobre limites e valores

    Avaliar
    Responder
  • A
    Amanda

    16/07/2012 14:13

    eu tenho uma filha de 8 anos eu encontrei no quarto dela um garoto e uma menina maiorzinha na cama fansendo sexo é normal eu deixei ela fazer e ela já perdeu a virgindade e eu tou muito feliz com isso e normal

    Avaliar
    Responder
  • r
    rhillary

    28/06/2012 12:15

    eu quero o melho para o meu filho proque eu sou testemuha de jeova

    Avaliar
    Responder
  • i
    isadora

    24/06/2012 11:19

    eu acho isso certo

    Avaliar
    Responder

Página: 1 de 4 (32 Artigos) 1234››